Já cheira a verão? Leva estes livros Young Adult para a praia

livros-young-adult-revista-estante-fnac

Não podes passar sem os teus romances young adult? Mesmo quando vais para a praia? A Estante recomenda-te algumas histórias que não podes mesmo perder.

O-Coracao-de-Simon-Contra-o-Mundo

 

altos-baixos-meu-coracao

 

Por-Treze-Razoes

 

amar-te-meia-noite

 

Mil-vezes-adeus

 

eleanor-park

 

destinos divididos

Com Amor, Simon. É este o nome de um dos filmes que está a dar que falar neste verão. No entanto, antes de chegar ao grande ecrã, esta história sobre um adolescente americano que é chantageado a fim de revelar a toda a gente que é homossexual já era um livro bem conhecido no mundo do young adult.

Publicado em 2015 com o título Simon vs. The Homo Sapiens Agenda, o primeiro romance de Becky Albertalli, ex-psicóloga de profissão, foi apontado pela crítica literária como “real e enternecedor”, com um protagonista do qual a autora se pode orgulhar. Distinguido em 2016 com o prémio William C. Morris para melhor romance de estreia destinado a jovens adultos, foi traduzido para português um ano depois com o título O Coração de Simon Contra o Mundo. Já este ano, Becky Albertalli deu-lhe seguimento com uma sequela – Leah on the Offbeat – cuja narrativa acompanha a melhor amiga do protagonista da primeira história.

Mas Becky Albertalli não parece ser escritora de um só truque. Mantendo-se fiel ao género que tão bem a acolheu, publicou ainda outro romance young adult, desta feita centrado numa adolescente habituada a apaixonar-se em segredo, com uma reduzida autoestima e um medo paralisante de rejeição. Chama-se Os Altos e Baixos do Meu Coração e é inspirado no clássico Emma, de Jane Austen. Num tom mais juvenil.

 

OUTRAS ADAPTAÇÕES PARA FÃS DE YOUNG ADULT

Não é só Com Amor, Simon que nos mostra que a relação entre romances young adult e as indústrias televisiva e cinematográfica parece estar em alta. Basta considerarmos que uma das séries mais vistas do momento é 13 Reasons Why, baseada no bestseller Por Treze Razões, escrito por Jay Asher. É a controversa e por vezes perturbante história de uma jovem que se suicida e deixa um diário em áudio que explica as razões para o ter feito. Na televisão, conta já com duas temporadas e a terceira chega já em 2019.

Substancialmente diferente (mas também com um tema algo triste) é Amar-te à Meia-Noite, de Trish Cook. Trata-se de uma novelização do filme americano com o mesmo nome, que por sua vez é baseado num filme japonês, o mesmo que também inspirou a banda desenhada Tautly no Uta. Uma história de amor protagonizada por uma jovem com uma doença rara, que não pode apanhar sol e se resigna a sair de casa durante a noite.

 

AS GRANDES REFERÊNCIAS DO YOUNG ADULT

Mas se gostas realmente de literatura young adult, é impossível escapar às principais referências do género. E o primeiro nome que nos vem à cabeça é inevitavelmente o de John Green, o homem por trás de obras tão acarinhadas como A Culpa é das Estrelas e Cidades de Papel. O seu mais recente romance, Mil Vezes Adeus, é protagonizado por uma jovem com um transtorno obsessivo-compulsivo que lhe provoca ansiedade extrema.

Outro nome incontornável é o de Rainbow Rowell, uma autora que até deu entrada no género de young adult de forma curiosa: participou no NaNoWriMo, uma competição on-line que desafia os participantes a escrever um livro inteiro no espaço de um mês, e esboçou o primeiro rascunho do que haveria de se tornar Fangirl. Mas o seu romance mais elogiado será provavelmente Eleanor & Park, a história da relação entre dois adolescentes que, à primeira vista, parecem ter muito pouco em comum, mas que são unidos pelo poder da banda desenhada e da cultura popdos anos 80.

Por fim, que tal Veronica Roth? A autora da célebre trilogia distópica Divergente acaba de concluir uma série de dois livros composta por Gravar as Marcas e Destinos Divididos. Passada numa galáxia distante, esta espécie de ópera espacial acompanha os destinos de dois jovens: um pobre agricultor e a irmã de um tirano opressor. Curioso?

Por: Tiago Matos

Gostou? Partilhe este artigo: