À Lupa: Jim Curioso – Viagem ao Coração do Oceano

Através de uma aventura gráfica tridimensional e (quase) muda, Jim Curioso – Viagem ao Coração do Oceano ajuda-nos a contemplar o sublime mundo subaquático e a natureza cíclica do tempo.

revista-estante-destaque-livro-jim-curioso

Equipado com um antiquado escafandro, Jim pontapeia a porta de sua casa e, atabalhoado, dirige-se ao mar, onde dá início a uma extraordinária aventura. Mergulhando para além do lixo acumulado pelos terrestres (veem-se garrafas, pneus, carrinhos de supermercado e até a carcaça de um automóvel), admira a bela variedade das criaturas subaquáticas e tem um complicado encontro com um enorme tubarão. Arriscando-se ainda mais nas profundezas das águas, depara-se com vestígios e monumentos que trazem à memória outras épocas: a Segunda Guerra Mundial, o tempo das expedições marítimas, a cidade perdida de Atlântida. A expedição culmina na descoberta de uma misteriosa porta no fundo do oceano que, curioso como é, Jim não perde a oportunidade de abrir. O que encontra do outro lado é, no mínimo, surpreendente.

Esta viagem pelo espaço (e pelo tempo) de Jim Curioso, a lembrar os clássicos intemporais de Júlio Verne, é-nos contada quase sem utilizar palavras e aprofundada através de uma perspetiva tridimensional (o livro inclui dois pares de óculos 3D) que, mais que um artefacto chamativo, confere novas camadas ao universo explorado por Matthias Picard. |

Subaquático 3D
Só debaixo de água é que o livro assume um efeito tridimensional. No pouco tempo em que Jim Curioso passa à superfície, a ilustração é perfeitamente regular. O efeito provoca não só um maravilhoso contraste entre as duas realidades como confere um caráter quase mágico
à aventura subaquática.

revista-estante-livro-jim-curioso-subaquatico

(Quase) sem palavras
Matthias Picard confessa que decidiu manter o livro maioritariamente “mudo” porque temia que, associada a texto, a componente tridimensional das cenas debaixo de água causasse náuseas aos leitores. O autor acredita que, por outro lado, é mais fácil interpretar livremente a aventura se esta não contiver palavras.

revista-estante-jim-curioso-livro

Gostou? Partilhe este artigo: