Stephen King

Stephen King

Naturalidade:
Portland, Maine, Estados Unidos

Data de nascimento:
21 de setembro de 1947

Primeiro livro publicado:
Carrie (1974)

Stephen Edwin King nasce em 1947. Dois anos depois, o pai sai “para comprar cigarros” e não volta mais a casa. Criado pela mãe sob grandes dificuldades financeiras, refugia-se no entretenimento dos filmes e livros de banda desenhada, desenvolvendo desde cedo um interesse por narrativas de tom mais macabro. Na adolescência, colabora com o jornal da escola e começa a escrever as próprias histórias. No entanto, é nos trabalhos pontuais como contínuo e funcionário de limpeza que consegue dinheiro suficiente para pagar os estudos. Depois de se formar em Inglês pela Universidade do Maine, e ao mesmo tempo que escreve contos para várias revistas, começa a trabalhar como professor.

A vida de King é radicalmente alterada em 1974, ano em que publica o primeiro romance, Carrie. A história de uma adolescente acanhada com poderes telecinéticos que se vinga dos maus tratos infligidos pelos colegas e pela mãe revela-se um gigantesco sucesso e permite a King demitir-se do emprego para se dedicar a 100% à escrita. Afirma-se a partir daqui como um dos mais populares escritores dos Estados Unidos – e do mundo – com títulos tão célebres como A Hora do Vampiro, The Shining, The Stand, Misery ou a saga A Torre Negra. Afirma-se também particularmente prolífico: é autor de mais de 60 romances (entre ficção e não ficção) e cerca de 200 contos.

Ao todo, vende mais de 350 milhões de livros por todo o mundo, com muitos dos quais a serem adaptados ao cinema e à televisão. Isto apesar de, nos primeiros anos de carreira, se debater com graves dificuldades relacionadas com o consumo excessivo de álcool e de, em 1999, enfrentar um novo problema sério de saúde: é atropelado por uma carrinha e por pouco não lhe é amputada uma das pernas.

O enorme sucesso de King leva-o a publicar, entre 1977 e 1984, cinco romances sob o pseudónimo de “Richard Bachman”. Fá-lo para testar se a popularidade dos seus livros se deve mais ao peso do seu nome ou ao apelo dos seus enredos, mas a experiência é descoberta por um leitor e King acaba por anunciar publicamente a “morte” de Bachman. Não obstante, anos depois publica mais um par de livros do “falecido” pseudónimo, entretanto descobertos num baú. Enquanto Stephen King, é distinguido com diversos prémios ao longo da carreira, entre os quais a Medalha Nacional das Artes, o prémio de carreira dos National Book Awards, o prémio Hugo e o prémio Bram Stoker.

Gostou? Partilhe este artigo:

 

Gostou? Partilhe este artigo: