Sete lugares incríveis das histórias

Castelos, florestas encantadas, transportes inimagináveis. Os cenários são parte essencial das histórias e a imaginação é infinita quando se trata de escolher o sítio ideal para os personagens. Se não acredita, mais vale ler.
Uma coisa é certa: nestas sete, os lugares são inesquecíveis.


1

Hogwarts

“Algures na Escócia”, a escola de magia ocupa um enorme castelo com várias torres e masmorras onde ficam as salas de aulas, os dormitórios dos alunos, as cozinhas, o salão principal, o salão de entrada e todos os outros espaços onde decorre grande parte da história dos aspirantes a feiticeiros. O castelo, palco dos primeiros seis livros de Harry Potter, de J. K. Rowling, é circundado pela Floresta Proibida, o Campo de Quidditch, o Lago Negro – com sereias e lulas gigantes – e o Corujal, onde há corujas que tratam da correspondência dos alunos para as famílias. Só há uma maneira de sair de Hogwarts: apanhar o comboio direto à estação de King’s Cross, em Londres.


2

Terra do Nunca

Do Lago das Sereias à Árvore do Nunca, casa de Peter Pan e dos Meninos Perdidos, nada acontece na Terra do Nunca sem que Peter Pan esteja presente. Dele depende toda a atividade do “país de Nunca Jamais” (em traduções mais antigas), que serve de cenário à história do escocês J. M. Barrie. Peter Pan, Sininho e os Meninos Perdidos vivem na ilha onde ninguém cresce e que fica “na segunda estrela à direita e então direto, até amanhecer”.


3

País das Maravilhas

É depois de cair numa toca de coelho – um poço com paredes repletas de prateleiras com objetos estranhos, quadros e livros – que Alice chega ao País das Maravilhas. Num átrio, em cima de uma mesa pequena de vidro, a menina encontra uma chave dourada. Alice procura fechaduras e encontra uma à medida, numa porta pequena atrás da cortina. Chega ao lugar fantástico onde vivem criaturas que só aparecem nos sonhos. Um chapeleiro doido, um gato que desaparece e cartas de baralho falantes interagem nas aventuras da menina criada por Lewis Carroll, cuja história foi publicada em 1865.


4

Terabítia

Só é possível chegar a Terabítia de uma maneira: pendurado numa velha corda. O reino secreto que fica sobre um riacho perto das casas dos amigos Jess e Leslie e que serve de cenário ao romance O Segredo de Terabítia, de Katherine Paterson, conta a história dos dois vizinhos de 10 anos que criam um mundo imaginário a partir de uma casa na árvore abandonada. À medida que exploram os seus arredores os dois lutam contra várias criaturas, incluindo um troll.


5

Terra de Oz

Quando Dorothy Gale chega a Oz ninguém sabe onde é o Kansas, de onde a menina é originária. Lá encontra pequenas pessoas, os Munchkins, que nunca tinha visto. Criada pelo escritor norte-americano L. Frank Baum, a Terra de Oz é um sítio afastado de qualquer lugar real. Da estrada dos tijolos amarelos ao centro da terra, a Cidade das Esmeraldas, o território é circundado a oeste pela terra dos Winkies, a norte pelo país dos Gillikins e a sul pelo dos Quadlings, onde fica o castelo da Bruxa Glinda. Os quatro países e a Cidade das Esmeraldas são rodeados por areias escaldantes do deserto que impossibilitam a saída dos habitantes e a entrada de forasteiros e aventureiros.


6

Sítio do Picapau Amarelo

O nome refere-se a um lugar chamado Picapau Amarelo que serve de título à série de livros com o mesmo nome. O sítio é a casa da Dona Benta, uma senhora com mais de 60 anos que vive com a neta, Lúcia – ou Narizinho – e a empregada, Tia Nastácia. A menina tem uma amiga inseparável, a boneca de pano Emília, feita pela empregada, que um dia, como por magia e graças a uma pílula falante dada pelo Doutor Caramujo, começa a dialogar. O médico vive no Reino das Águas Claras, um palácio que fica no fundo do ribeirão do sítio.


7

Nárnia

plano e geocêntrico, o oceano tem água doce, é coberto por flores e o céu encontra o mar. No extremo leste do oceano fica o país de Aslam, conforme conta A Viagem do Peregrino da Alvorada. Mas há mais: Nárnia, criada pelo escritor irlandês Clive Staples Lewis, é palco da série de sete livros de As Crónicas de Nárnia, em homenagem ao país onde acontece a maior parte da narrativa. Lá, onde os animais podem falar, o solo é uma camada morta como a pele que cobre o corpo das pessoas – geralmente crianças – que entram no mundo narniano vindas da Terra. O céu de Nárnia é cheio de estrelas mas até estas são especiais: dançam e ajudam os sábios a preverem o futuro.


Por: Mariana de Araújo Barbosa

Gostou? Partilhe este artigo: