Próxima paragem: França

O segundo destino da nossa viagem pelo mundo literário já está marcado. Depois de uma paragem pela Croácia, é altura de o  voo descolar em direção a França. Não se preocupe com as malas, porque tudo o que vai precisar está aqui nestes livros.

A França é um destino de sonho para muitas pessoas. Fonte de inspiração para escritores, cineastas, pintores e outros talentos artísticos, esta forte potência económica, cultural e política é o símbolo da luta por liberdade, igualdade e fraternidade. Um país com uma história tão longa quanto complexa, que é capaz de apaixonar todo o tipo de leitores. De romances a relatos históricos, aqui ficam alguns livros para o ajudar a conhecer melhor este apaixonante país.


Um escritor 

Júlio Verne

Nos países de língua portuguesa ninguém o conhece pelo seu verdadeiro nome, Jules Gabriel Verne. Nasceu no dia 8 de fevereiro de 1828, em Nantes, e é um dos escritores franceses mais aclamados de sempre. Considerado por muitos como o pai da ficção científica, a obra de Júlio Verne é marcada pela previsão de novos avanços científicos. Fruto de pesquisas intensivas e de uma capacidade de imaginação extremamente fértil, tem o poder de levar o leitor a viajar juntamente com os personagens das histórias.

Alcançou o primeiro grande sucesso com a publicação de Cinco Semanas em Balão, em 1862. Desde aí, publicou quase todos os anos novos livros, entre os quais se destacam títulos como Viagem Ao Centro da Terra e Vinte Mil Léguas Submarinas, ambos publicados em 1864, e ainda A Volta Ao Mundo em Oitenta Dias, publicado em 1873.

A sua obra é mundialmente conhecida. Os mais de 100 livros escritos por Verne foram traduzidos para 148 línguas. Nenhum outro escritor conseguiu até hoje atingir este feito.


Um livro de ficção

O Estrangeiro

Publicado em 1942, O Estrangeiro foi o primeiro romance de Albert Camus e é um dos grandes clássicos da literatura contemporânea, não só francesa mas mundial. A história passa-se na Argélia, quando esta ainda era uma colónia francesa, e inicia-se com o protagonista a receber um telegrama com a informação de que a sua mãe acabou de morrer.

Apesar de o autor rejeitar o rótulo de romance existencial, o livro gera com frequência debates sobre o verdadeiro significado da existência humana. De acordo com Camus, O Estrangeiro insere-se na sua “teoria do absurdo”, tal como o livro O Mito de Sísifo e a peça de teatro Calígula.


Um livro de não ficção

Paris é uma Festa

Ernest Hemingway, o autor deste livro, não é francês, mas sim norte-americano. No entanto, viveu em Paris durante grande parte da sua juventude. Paris é uma Festa é o relato da cidade na década de 1920 aos olhos de um jornalista que aspirava a romancista, um Hemingway diferente daquele a que nos habituámos.

Publicado em 1964, três anos após a morte do escritor, o livro é uma compilação das suas memórias durante o período em que viveu em França com a primeira mulher. O título deve-se a uma célebre frase que já serviu de inspiração a livros, filmes e séries de televisão: “Se tiver tido a sorte de ter vivido em Paris na juventude, ela o acompanhará sempre até ao fim da sua vida, vá para onde for, porque Paris é uma festa móvel.”


Uma inspiração 

Toda a Luz Que Não Podemos Ver

O trágico período da Segunda Guerra Mundial é uma grande inspiração para inúmeros escritores. Neste caso, realidade e ficção histórica misturam-se, dando origem ao livro vencedor do Prémio Pulitzer de literatura em 2015. Como pano de fundo desta história, acompanhamos uma França subjugada ao poder das tropas de Adolf Hitler e dois jovens que não podiam ser mais diferentes e que são obrigados a crescer rápido demais, mostrando que pequenas escolhas podem ter grandes consequências.


Um destino 

Lua-de-Mel em Paris

Não há dúvida de que Paris, a capital francesa, é uma das cidades mais românticas do mundo. A “cidade luz” é frequentemente escolhida como destino de milhares de casais durante a lua de mel. O caso de Lara Lewis, a protagonista desta história, não é diferente. Vinte anos depois de ter passado em Paris alguns dos melhores momentos de amor com o marido, Lara decide reacender a chama do passado e regressar ao ponto de partida. Porém, o amor que tanto procura já não é correspondido (se é que alguma vez o chegou a ser). Empenhada em dar um novo rumo à sua existência, embarca então numa viagem que a vai mudar por completo.

Lua-de-Mel em Paris é um romance apaixonante sobre a vida de uma mulher que parte em aventura à descoberta de si mesma. Mais do que uma história de amor, o livro mostra-nos os sons, os cheiros e os sabores desta cidade de França sem que precisemos de sair do sofá.


Por: Andreia Vaz

Gostou? Partilhe este artigo: