Que personagens de Stephen King mais se assemelham a Donald Trump?

Stephen King (Shane Leonard)

Os seus livros são de terror. As personagens são inquietantes. Mas nem por isso deixam de refletir a realidade. Aliás, Stephen King acredita que algumas das suas criações têm algumas semelhanças com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump.

“Em A Zona Morta [obra de 1979], o Greg Stillson é um vendedor da Bíblia porta-a-porta, que tem um dom para a tagarelice, uma perspicácia e uma ligação ao comum. Ele é alvo de riso quando concorre a presidente da Câmara da sua pequena cidade, New England, mas acaba por ganhar. É alvo de riso quando concorre à Câmara dos Representantes, mas volta a ganhar. E quando o Johnny Smith, o herói do romance, aperta a mão de Stillson, apercebe-se de que ele é que se vai rindo até chegar à Casa Branca, onde dará início à terceira guerra mundial”, explicou o autor norte-americano, num artigo que escreveu para o jornal The Guardian.

Mas King não se fica por aqui e confessa rever o atual líder do mundo livre em outra das suas histórias. “O Big Jim Rennie, de A Cúpula [2009], é feito da mesma matéria”, garante. “É um vendedor de carros e um dos oficiais da pequena cidade de Chester’s Mill, quando uma cúpula isola a comunidade do resto do mundo. É trapaceiro, fraudulento e um sociopata, a pior escolha de todas para a cidade numa altura de crise, mas ele tem uma forma despretensiosa e direta de se entregar, com a qual as pessoas se identificam. O facto de ele ser incompetente, no seu melhor, e maléfico, no seu pior, não interessa.”

Embora ambos os livros tenham sido escritos muito antes de Donald Trump sequer dar a conhecer as suas intenções de chegar a presidente, o autor reconhece: “O Stillson e o Rennie têm parecenças suficientes com o atual residente da Casa Branca para eu me poder vangloriar. Tenho um entendimento simples de como homens como esses sobem na vida: primeiro, como uma piada; depois como uma alternativa viável para o status quo; e, finalmente, como oficiais eleitos que são obstinados, egocêntricos e inexperientes”, concluiu.

 

 

Gostou? Partilhe este artigo: