Os 10 Livros da Minha Vida: Pedro Rolo Duarte

Pedroroloduarte
Nacionalidade:
Portuguesa
Vive em: Lisboa
Idade: 50
Gosta de: Rádio

Nasceu em Lisboa, filho dos jornalistas António Rolo Duarte e Maria João Duarte, e foi também ser jornalista que escolheu na hora de ter que optar por uma profissão. Começou a trabalhar aos 17 anos, na altura como colaborador do suplemento juvenil do Correio da Manhã. Estreia-se na Rádio Renascença em 1984, a convite de Rui Pêgo e Henrique Mendes, com o programa diário “Sessão da Meia-Noite”, e um ano depois passa a coordenar a equipa do “Só com Gelo”, na Rádio Comercial. Entretanto, começa também a colaborar regularmente com o Diário de Notícias, que lhe possibilita a criação da revista DNA e do qual mais tarde se torna subdiretor (2004/2005). Fundou ainda a primeira revista de fim de semana do jornal i, o projeto Nós, em 2009. Atualmente edita o blogue www.pedroroloduarte.blogs.sapo.pt.

 

1.  ATÉ AO FIM
2. PARA SEMPRE
3. PENSAR
Vergílio Ferreira

Foi meu professor no liceu e confesso que não guardo as melhores recordações desse tempo. Mais tarde apaixonei-me pela sua obra ao ponto de o considerar, até hoje, o escritor da minha vida. Um dia tive oportunidade de o entrevistar e contar-lhe esta história do “primeiro estranha-se, depois entranha-se”. Fiquei com a consciência tranquila por ter julgado precipitadamente um génio da literatura mas ter recuperado a tempo.

4.  LIVRO DO DESASSOSSEGO
Bernardo Soares

O meu Pessoa favorito. Livro de cabeceira desde os 18 anos. Sublinhado, anotado. Quando o meu filho foi para a Austrália, foi o livro que sugeri que levasse com ele.

5.  COMO SER BOM
Nick Hornby

Não é dos mais populares do escritor (também gosto muito do mais recente Juliet Naked), mas é um tratado de humor e inteligência sobre o divórcio. Como a leitura coincidiu com o momento em que me divorciei, ficou até hoje um dos meus livros de estimação.

6.  AS CINZAS DE ÂNGELA
Frank McCourt

Um escritor tardio (publicou este seu primeiro livro depois dos 60 anos) que morreu cedo de mais mas que nos deu um exemplo de vida pessoal de sacrifício e luta. O reflexo disso mesmo está neste livro magnífico sobre a emigração irlandesa para os EUA na primeira metade do século xx e a sua extraordinária conquista de um merecido lugar ao sol.

7.  POESIA E PROSA
Eugénio de Andrade

Fui um leitor tardio de poesia e Eugénio de Andrade foi a minha porta de entrada. Hoje não seria o meu poeta de eleição (de Ruy Belo a O’Neill, a escolha seria difícil). Mas por ter sido essa luz inicial merece estar nesta lista.

8.  PEQUENOS CONTOS DA  MISOGINIA
Patricia Highsmith

Amo policiais, leio com gosto “livros de aeroporto”, sou tudo menos um intelectual de leituras ortodoxas. No mundo do policial a escritora da minha vida é Patricia Highsmith, uma das poucas escritoras de quem posso dizer ter lido a obra completa. Sem deceções nem desilusões. Escolho estes pequenos contos que me revelaram até onde pode ir a densidade de uma mulher que se dedicou ao crime mas que nunca perdeu o norte do drama psicológico.

9.  MR. VERTIGO
Paul Auster

Gosto de toda a obra de Paul Auster. É aquilo a que chamo um escritor do tempo em que vivo — e não há melhor do que nos reconhecermos no tempo em que vivemos quando lemos quem bem o escreve.

10.  A ESPUMA DOS DIAS
Boris Vian

As primeiras leituras marcantes da adolescência nunca se esquecem. Recupero o livro para este depoimento e noto que está anotado por amigos e tem a numeração da biblioteca do meu pai. Não voltei a lê-lo com medo de perder a imagem que dele tenho.

Gostou? Partilhe este artigo: