Os livros para o [novo] presidente

Em março, Marcelo Rebelo de Sousa vai tomar posse como 20.° Presidente da República Portuguesa. Desta vez invertemos os papéis e deixa de ser Marcelo a recomendar obras. A Estante sugere alguns livros essenciais para o homem que irá ocupar o mais elevado cargo político em Portugal.

5 coisas que não sabia sobre a Presidência da República

1. Após o 25 de Abril de 1974, apenas dois presidentes se mudaram para o Palácio de Belém para ali viver: Ramalho Eanes e Cavaco Silva. Marcelo Rebelo de Sousa já disse que não se iria mudar para Belém.

2. Mário Soares foi o Presidente da República que alcançou a maior percentagem de sempre de votos (70,35%), aquando da sua reeleição em 1991.

3. Dos presidentes eleitos na II República, dois ocuparam o cargo depois de terem sido primeiros-ministros: Mário Soares e Cavaco Silva.

4. É o presidente da Assembleia da República quem substitui interinamente o Presidente da República em caso de impedimento temporário.

5. Segundo a lei de Defesa Nacional e das Forças Armadas de 1982, militares e agentes militarizados não se podem apresentar como candidatos à Presidência da República.

A um ano de ser eleito o próximo Presidente da República e ainda antes de ter anunciado a sua decisão de se candidatar ao cargo, Marcelo Rebelo de Sousa deixava antever o seu próprio futuro: “O próximo PR [Presidente da República] vai ser chamado a ter um desempenho mais interventivo do que aconteceu no passado recente pela razão de que, olhando à volta, não se vê facilmente que haja maiorias absolutas.” Um desempenho mais interventivo exige também a gestão de equilíbrios, a capacidade de negociação, o estar à altura de um cargo tão exigente como o de Chefe de Estado. Da política, passando pela História, à negociação e até a livros de etiqueta, deixamos algumas recomendações de leitura ao Professor Marcelo que, é como quem diz, ao novo Presidente da República.

Política de A a Z

Para que não haja equívocos na função, é importante relembrar a gíria política portuguesa desde o 25 de Abril de 1974. ABC da Política Portuguesa, de João Pombeiro, faz um retrato das palavras a que os políticos em Portugal deram um novo significado. Se pensarmos em “irrevogável” e “má moeda”, recordamos dois episódios bem recentes da política portuguesa: um com Paulo Portas e outro com Cavaco Silva e Pedro Santana Lopes. Para mais tarde recordar. E não esquecer.

Negociação

Na política, como na vida, é preciso saber negociar. E, acima de tudo, saber gerir emoções enquanto o fazemos. Em Como Usar as Emoções para Negociar, Roger Fisher e Daniel Shapiro debruçam-se sobre o tema e procuram explicar de que forma pode usar as suas emoções para tirar partido destas sem deixar que o controlem. Roger Fisher chegou a lançar o livro Como Conduzir Uma Negociação, mas percebeu que lhe faltava a análise da componente emocional. E é sabido que para Marcelo Rebelo de Sousa primeiro vem a emoção e só depois a razão.

Etiqueta

Apesar de ser considerado um político experiente, na prática Marcelo Rebelo de Sousa esteve sempre pouco tempo nos cargos políticos que ocupou (secretário de Estado da Presidência do Conselho de Ministros, ministro dos Assuntos Parlamentares, líder do PSD e deputado). Por isto, e apesar de todos os conselheiros que terá em seu redor em Belém, recomendamos a leitura de O Livro do Protocolo, de José de Bouza Serrano, onde vai poder esclarecer algumas das dúvidas mais assoladoras do cargo como, por exemplo, quais são as regras por detrás de uma visita de Estado ou como se organiza um banquete no Palácio da Ajuda.

Lusofonia

As relações institucionais com os países lusófonos são uma componente importante na função de Presidente da República. Para que a história da colonização portuguesa não caia nos baús do esquecimento aconselhamos a leitura de O Conto na Lusofonia – Antologia Crítica, vol. 1. O livro dá a conhecer alguns contos de escritores provenientes de Angola, Brasil, Cabo Verde, Moçambique e Portugal – mais concretamente Machado de Assis, Fialho de Almeida, Baltasar Lopes, Guimarães Rosa, Jorge de Sena, Manuel Rui, Ana Maria Machado e Luís Bernardo Honwana.

Desporto

Adepto ferrenho do Sporting de Braga, Marcelo Rebelo de Sousa deverá agora parecer imparcial, como o deve ser um Presidente da República no que diz respeitoa tendências futebolísticas. Para iniciar uma conversação em bom “futebolês”, aconselhamos o Dicionário Sentimental de Futebol, de Rui Miguel Tovar. Tem quase tudo o que sempre quis descobrir sobre futebol: desde as curiosidades às estrelas inolvidáveis e aos momentos especiais.


Por: Catarina Sousa

Gostou? Partilhe este artigo: