Os livros que desvendam a história secreta de Twin Peaks

twin-peaks-diario-secreto-laura-palmer-revista-estante-fnac

Mata as saudades de Twin Peaks com os livros que complementam a série televisiva.

Em 2017, o anúncio pôs meio mundo em alvoroço: Twin Peaks estava de regresso à televisão. David Lynch assumiu uma vez mais o comando – e a escrita, em conjunto com Mark Frost – de uma das mais emblemáticas séries televisivas de todos os tempos, 25 anos depois do último adeus.

Exatamente como vaticinado por Laura Palmer, uma das personagens centrais, no último episódio da segunda temporada da série.

Lynch e Frost não foram os únicos a regressar. A grande maioria do elenco original acompanhou-os nesta nova aventura de nove episódios. Falamos de atores como Sheryl Lee (Laura Palmer), Kyle MacLachlan (Dale Cooper), Ray Wise (Leland Palmer) ou Mädchen Amick (Shelly Johnson), mas também de nomes menos relevantes no elenco original, como Phoebe Augustine (Ronette Pulaski), Catherine E. Coulson (The Log Lady) ou Carel Struycken (The Giant).

Mas não só. O gigantesco elenco da terceira temporada de Twin Peaks incluiu nomes tão mediáticos como Monica Bellucci, Naomi Watts, Michael Cera, Jim Belushi, Tim Roth, Eddie Vedder, Laura Dern, David Duchovny, Ashley Judd e Jennifer Jason Leigh.

Impõe-se a questão: porquê retornar a Twin Peaks? 

Gary Levine, o vice-presidente executivo da Showtime, estação responsável pela transmissão nos Estados Unidos, ofereceu-nos a resposta: “De certa forma, Twin Peaks foi precursor de todo o drama serializado provocador e de alta qualidade que fazemos atualmente. […] Twin Peaks sempre definiu e continuará a definir o cool. Era demasiado tentador para que nos afastássemos.”

Mas não nos limitámos a retornar à série onde as corujas não são o que parecem. Retornámos também aos livros que a complementam e ajudam a definir.

“Por vezes, quando estou a sonhar, sinto-me encurralada aqui e muito assustada. No entanto, agora, ao ler o que acabei de escrever, não me parece tão assustador. Talvez, a partir deste momento, comece a escrever todos os meus sonhos, a fim de perder o medo.”

O Diário Secreto de Laura Palmer

Tudo começa no final da década de 1980. David Lynch filma a primeira temporada de Twin Peaks, uma narrativa construída a partir do surpreendente assassinato de uma adolescente de expressão doce chamada Laura Palmer. Dale Cooper, um agente particularmente sagaz do FBI, é chamado a investigar o caso, mas depara-se com uma cidade repleta de segredos. A própria Laura tinha uma segunda vida, movida a sexo e droga. Existem ainda realidades difíceis de explicar: duplos, gigantes, um misterioso vilão chamado BOB e uma sala vermelha que surge em sonhos e serve como uma espécie de limbo.

A meio das filmagens, o realizador pede à filha de 21 anos, Jennifer Lynch, que se coloque na pele de Laura Palmer e escreva um diário. Aceite o desafio, o resultado é O Diário Secreto de Laura Palmer, uma perspetiva chocante sobre a atribulada decadência desta jovem vítima de abusos sexuais no período que decorre entre o seu 12.º aniversário e a morte.

“Pude brincar de Laura e inventar a Laura. Foi-me dado controlo total”, disse mais tarde Jennifer Lynch, a quem foi revelada a identidade do assassino e uma lista de elementos a referir na narrativa.

Jennifer demorou apenas nove dias a escrever o diário. Foi depois forçada a reescrevê-lo de raiz devido a um problema informático. Ultrapassadas as dificuldades, o livro revelou-se um sucesso, atingindo o estatuto de bestseller e afirmando-se o complemento ideal para a série do pai.

“Uma vez um homem sábio disse-me que o mistério é o ingrediente mais essencial da vida pela seguinte razão: o mistério suscita admiração, o que conduz à curiosidade que, por seu turno, proporciona a base para o nosso desejo de compreendermos quem e aquilo que realmente somos.”

A História Secreta de Twin Peaks

Os anos que se seguiram trouxeram vários outros livros baseados na série ou situados na cidade de Twin Peaks – como The Autobiography of FBI Special Agent Dale Cooper –, mas só em 2016, já após o anúncio da nova temporada, chegou outro tão relevante como O Diário Secreto de Laura Palmer. Chama-se A História Secreta de Twin Peaks, é escrito por Mark Frost e oferece-nos uma perspetiva mais completa da evolução da cidade, assim como potenciais explicações para os estranhos fenómenos que por lá ocorrem.

A história da existência deste livro conta-se nas entrelinhas: Gordon Cole, vice-diretor da Agência Federal de Investigação – interpretado na série pelo próprio David Lynch –, depara-se com um dossier composto por centenas de documentos, fotografias e arquivos confidenciais sobre a cidade e os habitantes de Twin Peaks, supostamente preparado por alguém que se autodenomina “O Arquivista”. Coloca então uma agente especial – conhecida apenas pelas iniciais “TP” – a investigá-lo, de modo a desvendar a identidade do misterioso autor.

À semelhança de livros como S.A História Secreta de Twin Peaks é um regalo para os olhos e uma obra em várias camadas. As primeiras dezenas de páginas dão-nos a conhecer as expedições de William Clark e Meriwether Lewis e as disputas territoriais do exército americano com os índios, muito antes de sequer existir uma cidade chamada Twin Peaks.

Sugere-nos que se trata de uma região amaldiçoada, uma entidade com vontade própria, um pouco como a casa que Shirley Jackson imaginou em A Maldição de Hill House. Fá-lo de forma implícita, sempre comentada nas margens das páginas pela cética TP. Avança depois para uma análise profunda de habitantes que tão bem conhecemos, esclarecendo alguns dos mistérios da série ao mesmo tempo que descerra outros.

Muito mais do que meros spin-offs pensados para capitalizar uma série de sucesso, estes livros são uma extensão da história e o retrato perfeito de Twin Peaks: indiscretos, violentos e muito, muito misteriosos. Ideais para ler após uma maratona pelas três temporadas (e um filme) de uma das mais geniais narrativas de David Lynch.

Por: Tiago Matos

Gostou? Partilhe este artigo: