À Lupa: Livros malditos que fizeram História

Por ocasião do seu 10.° aniversário, a Guerra & Paz fez regressar às livrarias nacionais três dos livros mais detestados de sempre. Para não repetir os erros do passado.


OS NÚMEROS DO NAZISMO


Cerca de
15 000
campos de concentração criados
Entre 11 E 17 000 000
de mortes colaterais à guerra:
6 000 000
de judeus
2 500 000
prisioneiros soviéticos
2 000 000
de polacos
400 000
sérvios
270 000
deficientes
100 000
ciganos
10 000
homossexuais
7 000
republicanos espanhóis
5 000
testemunhas de Jeová
3 000
padres católicos

livro-adolf-hitler
Na nova edição de Mein Kampf, Manuel S. Fonseca contextualiza historicamente o texto com um ensaio que sintetiza as causas e efeitos do nazismo.

Originalmente publicado em 18 de julho de 1925, Mein Kampf – A Minha Luta é um ensaio autobiográfico no qual Adolf Hitler resume a sua ideologia política, antecipando a ascensão do nazismo. Escreve-o na prisão, ainda antes de subir ao poder, usando-o como suporte para transmitir o ódio por judeus e comunistas. Mais de 10 milhões de exemplares foram vendidos ou distribuídos gratuitamente até à sua morte.


Autor: Adolf Hitler
O homem que deu início à Segunda Guerra Mundial nasceu na Áustria, em 1889, mas foi na Alemanha que subiu ao poder, como chanceler e Führer. Enquanto líder do Partido Nazi, deu ordem para o genocídio de milhões de pessoas. Suicidou-se em Berlim, em 1945, para evitar a captura por parte do exército soviético.


OS NÚMEROS DO COMUNISMO


De acordo com Stéphane Courtois, editor da obra O Livro Negro do Comunismo, este regime foi responsável por aproximadamente…
100 000 000
de mortes por todo o mundo:
65 000 000
na China
20 000 000
na União Soviética
2 000 000
no Camboja
2 000 000
na Coreia do Norte
1 700 000
na Etiópia
1 500 000
no Afeganistão
1 000 000
nos estados comunistas do Leste Europeu
1 000 000
no Vietname
150 000
na América do Sul, particularmente em Cuba

livros-karl-marx
O texto integral de Manifesto Comunista é antecedido, nesta nova edição, por mais de 50 páginas de textos e imagens que comprovam os seus perigos.

Publicado em fevereiro de 1848, Manifesto Comunista é um panfleto político escrito por Karl Marx e Friedrich Engels que parte do princípio de que “a História é a história da luta de classes”, convidando o proletariado à revolta. Esta crença numa aparente utopia resulta, contudo, em ditaduras tão brutais como as de Estaline ou Mao Tsé-Tung.


Autores: Karl Marx e Friedrich Engels
Esta dupla de filósofos alemães escreve Manifesto Comunista por “encomenda” da Liga dos Comunistas, associação secreta da qual faz parte, a fim de definir os seus propósitos e linha política. Marx é igualmente o autor de obras tão emblemáticas como O Capital.

livro-mao-tse-tung

Originalmente publicado em 1964, O Pequeno Livro Vermelho é uma compilação de centenas de citações de Mao Tsé-Tung. Reflexo da sua ideologia – mais conhecida como maoismo –, o livro foi massivamente distribuído durante a Revolução Cultural Chinesa, dando origem ao culto à personalidade do ditador. Com centenas de milhões de exemplares impressos, estima-se que é o segundo livro mais vendido de sempre, a seguir à Bíblia.


Autor: Mao Tsé-Tung
Nascido em 1893, Mao Tsé-Tung foi o líder da Revolução Comunista que, em 1949, proclamou a República Popular da China. Comandando o país a seu bel-prazer até à sua morte em 1976, foi o principal responsável pela brutal Revolução Cultural Chinesa, assim como pelo extermínio de milhões de pessoas devido a execuções, tortura e fome.

 

Gostou? Partilhe este artigo: