Leituras de inverno: 5 bebidas aconchegantes que sabem bem com clássicos em inglês

livros-ingles-bebida-revista-estante-fnac

Ah, o inverno… Haverá melhor altura para te recostares num sofá com um bom livro e uma bebida? Mas olha que não pode ser uma bebida qualquer. Sugerimos-te algumas que se adequam na perfeição a cinco clássicos da literatura inglesa.


Pride-and-Prejudice

JANE AUSTEN COCKTAIL

Pride and Prejudice
Jane Austen

Quando pensamos em romances escritos por Jane Austen vem-nos automaticamente à cabeça uma chávena de chá. É que esta bebida originada na China e trazida para a Europa por mercadores portugueses acabou por se tornar indissociável do estilo de vida inglês – e, pelo menos para nós, não há literatura mais “inglesa” do que a de Jane Austen.

Acontece que descobrimos que existe um cocktail inspirado nesta escritora desaparecida há 200 anos. E, logicamente, não podíamos deixar de o sugerir para acompanhar Pride and Prejudice, um dos seus mais emblemáticos romances.

O Jane Austen Cocktail é uma bebida leve e marcadamente feminina que podes preparar misturando gin, xarope de Earl Grey e umas pitadas de água de rosas. Depois é só atestar com um pouco de champanhe rosé.


murder-orient-express

TISANA

Murder on the Orient Express
Agatha Christie

Um dos principais méritos de Hercule Poirot é que nos obriga a expandir a mente e a encarar de outras formas aquilo que sempre esteve à nossa frente mas que nunca conseguimos realmente perceber. É o que acontece neste clássico da literatura policial, com o pequeno belga de bigode retorcido a ver-se no meio de um crime em pleno Expresso do Oriente. Mas a influência de Poirot é extensível também a assuntos menos sangrentos da nossa vida. Como o chá, por exemplo.

É que aquilo a que temos por hábito chamar de chá não o é necessariamente. A palavra “chá” serve somente para descrever as bebidas preparadas através da planta Camellia sinensis. As infusões de ervas medicinais, por sua vez, devem ser chamadas de “tisanas”. E é mesmo esta uma das bebidas favoritas de Poirot, uma bebida ideal para acompanhar qualquer um dos seus mistérios e que ainda por cima apresenta vários benefícios para a saúde.

Deixamos apenas uma nota: é que o genial detetive das pequenas células cinzentas insiste em beber a sua tisana numa chávena de vidro adequada, assegurando que a experiência não é a mesma se for servida em qualquer outro recipiente. Fica a dica.


Wuthering-Heights

HEATHCLIFF’S CRUSH

Wuthering Heights
Emily Brontë

Para acompanhar a leitura deste belo pedaço de ficção gótica com que Emily Brontë nos brindou em 1847 começámos por pensar numa caneca de chocolate quente. É uma bebida que nos parece encaixar particularmente bem com o tom frio e ocasionalmente dramático da trágica paixão de Heathcliff e Catherine Earnshaw. Mas depois pensámos que seria batota – afinal, chocolate quente sabe bem com qualquer livro. Especialmente no inverno.

Lembrámo-nos então da curiosa forma como a história se refere a laranjas, nas breves passagens em que o faz, como frutas particularmente exóticas. E assentámos na sugestão de um Heathcliff’s Crush, uma bebida inspirada no clássico de Brontë e apresentada por Tessa Smith McGovern no livro Cocktails for Book Lovers.

Para preparares o teu Heathcliff’s Crush vais precisar de misturar vinho da Madeira, vodka de frutos silvestres e limonada num copo com gelo. Depois é só adicionares um trago de sumo de laranja e algumas amoras ou mirtilos para enfeitar.


Jane-Eyre

NEGUS

Jane Eyre
Charlotte Brontë

Saltamos de uma Brontë para outra – desculpa, Anne, para a próxima também haveremos de nos lembrar de alguma bebida para acompanhar o Agnes Grey.

Naquele que é o mais popular de todos os romances publicados por Charlotte Brontë, acompanhamos na primeira pessoa a sempre audaciosa Jane Eyre ao longo de aproximadamente vinte anos da sua vida, tendo como foco principal os seus anos de adolescência. Além das muitas qualidades que Jane encerra, é referida a apetência por uma bebida quente chamada Negus, muito popular na Inglaterra Vitoriana e que chegava inclusive a ser servida às crianças em ocasiões festivas.

Trata-se de uma mistura de vinho do Porto com água quente, açúcar, noz moscada e sumo de laranja ou limão. Embora tenha perdido a popularidade na primeira metade do século XX, podes recuperá-la enquanto lês este clássico para te colocares ainda mais no lugar da protagonista.


christmas-carol

SMOKING BISHOP

A Christmas Carol
Charles Dickens

Por falar em vinho quente, vai um Smoking Bishop enquanto lês este clássico de Natal protagonizado pelo avarento Ebenezer Scrooge?

Foi o próprio que nos deu esta ideia, já que numa certa cena que nos ficou na cabeça, exclama: “Falaremos sobre isso diante de um bom copo de Smoking Bishop. Agora acenda as duas estufas e vá comprar carvão para nós.”

O que é um Smoking Bishop, perguntas tu? É outra das bebidas mais populares da Inglaterra Vitoriana. À semelhança do Negus, pode assumir várias preparações, mas geralmente leva vinho tinto, brandy (ou rum), água, sumo de laranja ou limão, açúcar e especiarias como canela, cravinho e/ou noz moscada. A mistura é posteriormente fervida e a bebida é servida quente. Parece-te bem?


 

Gostou? Partilhe este artigo: