Este Doutor Sono vai deixar-te bem acordado


Um livro para…
Fãs de literatura de horror que não se incomodem com inclusões de tom sobrenatural.

Primeira frase
“No dia dois de dezembro, num ano em que um plantador de amendoins da Geórgia mandava nos destinos da Casa Branca, um dos grandes hotéis de veraneio do Colorado ardeu até ficar reduzido a cinzas.”

Se gostaste deste livro,
é provável que também gostes de…

Cornos (Joe Hill)
Pequenos Vigaristas (Gillian Flynn)
A Estirpe (Guillermo del Toro e Chuck Hogan)

Preparado para regressar, quase 40 anos depois, ao tenebroso mundo de The Shining? Doutor Sono é a sequela há muito aguardada deste clássico da literatura de horror.

A questão essencial: é indispensável que tenhas lido The Shining para apreciares devidamente esta sua sequela? Não, não é. E também não é obrigatório que tenhas visto a célebre adaptação que Stanley Kubrick fez do livro ao cinema em 1980. Ajuda, é verdade, até para poderes compreender em pleno todos os elementos deste romance, mas a história vale por si só como um livro de terror à moda antiga onde o principal monstro se chama álcool.

O livro

Doutor Sono é a sequela de The Shining, um dos mais emblemáticos romances de sempre na literatura de horror. Publicado 36 anos depois do original, reapresenta-nos Danny Torrance, já crescido mas ainda profundamente afetado pelos eventos de que foi vítima no Hotel Overlook.

Danny mantém uma réstia das habilidades psíquicas que exibia na infância, mas utiliza-as com um propósito “diferente”: aliviar o sofrimento às pessoas prestes a morrer no lar de idosos onde trabalha.

Existem outras pessoas como ele. Algumas reúnem-se numa perigosa tribo que dá pelo nome de Nó Verdadeiro. Outras limitam-se a tentar lidar da melhor forma com os respetivos “dons”. Danny está mais interessado em Abra, uma jovem com quem forma um elo telepático, um pouco como Dick Halloran estabeleceu com ele próprio em The Shining. Debate-se, no entanto, com um problema sério e muito menos sobrenatural: é alcoólico. Como o pai.

O autor

Stephen King é um dos mais reconhecidos autores da atualidade. Conhecido como o “mestre do horror” graças a livros como Carrie, Misery ou The Stand, o americano tem demonstrado ao longo dos anos uma enorme versatilidade, explorando diferentes géneros em obras como 22/11/63, Bem-Vindos a Joyland e a saga A Torre Negra. Em pouco mais de 40 anos de carreira, publicou mais de 50 romances, cerca de 200 contos e vendeu mais de 350 milhões de livros em todo o mundo.

O gancho

Uma sequela de um clássico como The Shining teria sempre o potencial de despertar o interesse dos leitores. Veja-se, por exemplo, o fenómeno que foi Vai e Põe Uma Sentinela, de Harper Lee. Mas esta não é uma sequela qualquer.

Stephen King, que completou 69 anos em setembro deste ano, acredita que lhe resta apenas aproximadamente uma década a escrever na plena posse das suas faculdades. Isto se tiver sorte. Por isso diz estar numa fase da sua vida em que é particularmente seletivo na escolha dos temas que aborda nos seus livros.

É algo notório em Doutor Sono, que não é apenas uma sequela feita para arrecadar dinheiro aos leitores mais saudosistas, mas um aprofundamento da história de um homem que passou – e continua a passar – por maus momentos.


Gostou? Partilhe este artigo: