Contraponto: Ana Maria Magalhães vs. Isabel Alçada

Passaram os últimos 35 anos juntas a escrever os (até agora) 59 volumes da coleção Uma Aventura. Mas, mais do que a paixão pela escrita, têm em comum o hábito de ler vorazmente. Que livros recomendariam, então, uma à outra? Fomos descobrir.


As Cidades Invisíveis
Italo Calvino
Bíblia
Frederico Lourenço

Isabel, acabei de ler As Cidades Invisíveis, de Italo Calvino. Gostei imenso e acho que também vais gostar porque é muito original, marcado por uma espécie de jogo entre elementos resultantes da imaginação prodigiosa do autor e reflexões pertinentes que vai fazendo sobre a realidade.

Aconselho a Ana Maria Magalhães a ler a Bíblia traduzida do grego por Frederico Lourenço. Isto porque sei como ela se interessa por toda a investigação histórica associada a livros. As notas que o tradutor faz sobre cada passo da Bíblia são absolutamente fascinantes e levam-nos a compreender muito melhor aquela obra-prima do ponto de vista cultural e literário. E o esclarecimento que ele dá sobre as opções que fez de tradução é muito estimulante. Acho que ela vai adorar ver uma mente brilhante a fazer um trabalho desta natureza.


Ana Maria Magalhães tem 71 anos. Começou a trabalhar como professora, primeiro em Moçambique e depois em Portugal, e mantém-se até hoje ligada à área educativa.

Isabel Alçada tem 67 anos. Iniciou-se como professora, tendo vindo a conjugar, até hoje, a escrita com funções na área da educação.

59 LIVROS A DESVENDAR MISTÉRIOS
Uma Aventura em Conímbriga é o título do 59.º volume da coleção Uma Aventura. Foi publicado em março, 35 anos após o lançamento do primeiro livro: Uma Aventura na Cidade. Uma das coleções mais queridas entre o público infantojuvenil, que já mereceu adaptações ao pequeno e ao grande ecrã.

Gostou? Partilhe este artigo: