Contraponto: Alice Vieira vs. Álvaro Magalhães

alice-vieira-revista-estante-fnac

álvaro-magalhães-revista-estante-fnac

Amigos, colegas e referências na literatura infantojuvenil. Que mais têm Alice Vieira e Álvaro Magalhães em comum? O gosto pela poesia. É isso que recomendam um ao outro.


A-Noite-Abre-Meus-Olhos

A Noite Abre Meus Olhos
José Tolentino Mendonça
Todas-as-Palavras
Todas as Palavras
Manuel António Pina

‘Paga-me um café e eu conto-te a minha vida.’ Que melhor maneira de combater a solidão, a tristeza, o isolamento? O Álvaro Magalhães não precisa, certamente, que lhe pague um café (‘bica’ para mim, ‘cimbalino’ para ele), mas todos os motivos são bons para lhe deixar no colo a poesia de José Tolentino Mendonça. Podia recomendar- -lhe o livro A Que Distância Deixaste o Coração, ao qual pertence o poema que começa com o verso que referi. Mas prefiro recomendar-lhe o volume que reúne a sua poesia completa – A Noite Abre Meus Olhos –, até porque não consigo escolher o melhor de entre todos os já publicados.

Não é fácil surpreender a Alice Vieira com a oferta de um livro. Por isso, troco a surpresa pelo afeto e ofereço-lhe poesia: Todas as Palavras, de Manuel António Pina, um querido amigo comum que morreu há cinco anos, poeta maior da nossa língua e também autor fundamental da nossa literatura infantojuvenil. Este volume tem todos os poemas que ele escreveu, todas as palavras, escolhidas amorosamente, uma a uma; e agora também amorosamente oferecidas à Alice.


Alice Vieira tem 74 anos e é lisboeta. Aos 18 anos já era jornalista no Diário de Lisboa, estreando-se na escrita aos 36 anos com Rosa, Minha Irmã Rosa. Desde então, já lançou mais de 50 obras infantojuvenis.

Álvaro Magalhães tem 66 anos e é natural do Porto. Começou por publicar poesia, na década de 1980, estreando-se em 1982 na literatura infantojuvenil. Já lançou, desde então, mais de 30 livros, incluindo a popular série O Estranhão.

NA FNAC…


Alice Vieira aproveitou o último ano para algo diferente: Só Duas Coisas que, entre Tantas, me Afligiram. E são mesmo só duas. O resto, garante, são lembranças felizes de lugares como a redação do Diário de Lisboa ou o irrequieto mar do Guincho.

Aliar livros ao desporto-rei é uma das especialidades de Álvaro Magalhães. Em Contra Tudo e Contra Todos, quarto volume da saga Os Indomáveis F. C., o autor volta a colocar a sua equipa em campo, desta vez na luta por um troféu (e prémio) bem atrativo.

Gostou? Partilhe este artigo: