Computador escreve The Winds of Winter antes de George R. R. Martin

game-of-thrones-estante-fnac

É a verdadeira ascensão das máquinas. Zack Thoutt, um jovem engenheiro americano, está a ensinar uma rede neural artificial a escrever The Winds of Winter, o próximo livro d’As Crónicas de Gelo e Fogo, antes de George R. R. Martin terminar a sua própria versão.

Esta rede é capaz de reconhecer e recordar a informação que lhe é introduzida, criando depois novos textos com base nas palavras, na estrutura e nas personagens que conhece. Zack Thoutt utilizou como fonte os primeiros cinco livros da saga de George R. R. Martin e aguarda agora que a rede termine um novo volume.

“Sou um enorme fã de A Guerra dos Tronos – livros e série televisiva. Já trabalhei um pouco com redes neurais artificiais e pensei em fazer esta experiência”, explicou o engenheiro à Motherboard. “[Claro que] um modelo perfeito levaria em conta tudo o que já aconteceu no passado e não ressuscitaria personagens que morreram há dois livros. A realidade é que o modelo não é assim tão bom. Se fosse, os escritores poderiam estar em apuros.”

Mas afinal o que podemos esperar deste The Winds of Winter?

De acordo com os primeiros cinco capítulos já disponibilizados – mais do que aqueles que George R. R. Martin divulgou até esta data -, esperam-nos eventos absolutamente loucos:

  • Sansa Stark junta-se à Casa Baratheon;
  • Jaime Lannister assassina a irmã Cersei;
  • Jon Snow viaja num dragão;
  • Lorde Varys envenena Daenerys Targaryen;
  • Asha Greyjoy persegue a Patrulha da Noite.

Esta versão alternativa de The Winds of Winter introduz ainda um novo personagem: Greenbeard. Eis um excerto da sua apresentação:

Greenbeard was waiting toward the gates, big blind bearded pimple with his fallen body scraped his finger from a ring of white apple. It was half-buried mad on honey of a dried brain, of two rangers, a heavy frey.

Convém esclarecer que a ortografia desta rede neural artificial está longe de ser perfeita e que a própria história não tem, pelo menos até ver, grande lógica.

“George R. R. Martin é, evidentemente, muito descritivo na sua prosa, e estes adjetivos extra, bem como os títulos e os lugares fictícios, são complicados para a rede”, explica Thoutt. De acordo com o americano, a fonte ideal para esta tarefa seria uma centena de vezes mais longa do que os cinco livros até agora publicados da saga, mas com um vocabulário de nível infantil.

Se, ainda assim, quiseres espreitar os primeiros capítulos desta versão de The Winds of Winter, podes fazê-lo aqui.

Gostou? Partilhe este artigo: