Clube do Livro: As sugestões de João Cajuda

Considerado um dos bloggers de viagens mais influentes do mundo, o português João Cajuda partilha alguns dos livros que o transportaram para os quatro cantos do mundo. Vamos com ele à aventura?

EM NÚMEROS

43 países visitados
+100 000 seguidores mensais no blogue
+650 000 seguidores nas redes sociais

O que o move é a paixão pelo mundo, pelas pessoas, pela cultura, por novas cores, sons e sabores. Cedo descobriu que preferia partir à descoberta, com uma mochila às costas, do que acomodar-se a uma vida confortável, livre de riscos e da adrenalina do desconhecido.

Assim, João Cajuda pegou no diploma de Marketing, Publicidade e Relações Públicas e na experiência enquanto ator – quem não se lembra dele na série juvenil Morangos com Açúcar ou em telenovelas como Ilha dos Amores ou Água de Mar? – e fez as malas para se dedicar ao que mais o preenche: viajar e produzir conteúdos que levam as suas experiências aos quatro cantos do planeta.

Não tardou que o seu blogue, joaocajuda.com, criado em 2014, se tornasse um sucesso. Ou não tivesse sido eleito, em 2016, pela plataforma de dados Rise, um dos quinze bloggers de viagens mais influentes do mundo.

É que, além das deslumbrantes fotografias que partilha nas redes sociais, o português de 32 anos produz vídeos para hotéis, empresas de turismo e canais televisivos de viagens.

Um leitor inquieto

João Cajuda tem pouco tempo livre entre mãos, é certo, mas quer esteja na Índia, em Itália ou na Argentina, não abdica de levar consigo um bom livro. “Como tudo na minha vida, ler tem, obviamente, de ser prazeroso. Não tenho um autor predileto, nem um estilo que siga cegamente, mas gosto de literatura de viagem por ir muito ao encontro dos meus interesses e desejos constantes de não estar parado num só lugar”, explica.

Fascinado por Marrocos – “pelo seu povo, pela arquitetura, pela cozinha, pelas paisagens e, principalmente, pelo mágico deserto do Sara” –, o blogger, que já visitou 43 países – alguns deles, como Marrocos, mais de 20 vezes –, não consegue eleger um só livro da sua vida. Mas confessa: “Tenho alguns livros pelos quais tenho um grande carinho, é difícil escolher apenas um, mas destaco Siddhartha, de Hermann Hesse, por tê-lo lido durante a minha primeira viagem à Índia. Talvez por isso a experiência tenha sido tão grande e transformadora.”


JOÃO CAJUDA RECOMENDA…


Pela Estrada Fora

Jack Kerouac

Um livro fascinante que relata a viagem alucinante de Sal e Dean pelo continente norte-americano. Uma viagem que acaba por ser também interior, de autoconhecimento. Para quem é fascinado pela cultura americana e por viagens, é um livro que aconselho. Está repleto de drogas, álcool, sexo, jazz, poesia e representa a Beat Generation, um movimento cultural dos anos 50/60. Desperta uma enorme vontade de nos fazermos à estrada!

Os Vagabundos do Dharma

Jack Kerouac

O livro conta a história de dois jovens que seguem o caminho do budismo à procura de um estado zen, da desmaterialização, da amizade, da verdade. Interessante é o facto de nos mostrar que o importante não é encontrar a desejada ‘verdade’ mas o caminho pela sua procura. Leva-nos numa viagem ao encontro da natureza e do montanhismo, que são duas coisas que fazem parte da minha vida.

Siddhartha

Hermann Hesse

Nascido na Índia, o jovem Siddhartha abdica da vida luxuosa da qual era prisioneiro desde criança e parte numa viagem enriquecedora pelo seu país. Uma viagem que procura preencher a sua alma e coração. Nessa busca incessante, Siddhartha experimenta a liberdade total até encontrar a paz interior. É um livro que luta, de certa forma, contra a injustiça e a corrupção no mundo. É de leitura fácil e ótimo para levar na mala de viagem.

O Grande Bazar Ferroviário

Paul Theroux

Para os amantes de viagens, um livro sobre a maravilhosa aventura de um viajante pelos caminhos-de-ferro da Ásia. Contém relatos dos lugares incríveis por onde ele passou ao longo do expresso do Oriente – pelo Transiberiano, pela Índia, pela Grande Muralha e toda a rota da seda – e uma descrição dos países que atravessa e das pessoas que conhece. É capaz de nos transportar para outra realidade.

Cem Anos de Solidão

Gabriel García Márquez

A história da família Buendía é difícil de resumir. Ao longo de sete gerações, a solidão, como o título indica, é abordada de forma intensa. Não acho que seja um livro de fácil leitura, dadas as inúmeras informações e personagens, mas são as características e particularidades de cada uma delas que torna o livro tão especial e um dos meus preferidos.


Por: Carolina Morais
Fotografias: João Cajuda

Gostou? Partilhe este artigo: