Blade Runner 2049: a sequela de um clássico que nasceu nos livros

O livro foi escrito em 1968. O filme estreou em 1982. Este ano, chega aos cinemas a sequela. Estás preparado para o novo Blade Runner?

Será que os Androides
Sonham com Ovelhas Elétricas?
Philip K. Dick
Com a Terra devastada após uma grande guerra nuclear, parte da humanidade vê-se obrigada a partir para Marte. Aos que ficam para trás resta distraírem-se com os avanços da realidade virtual e sonharem com a posse de um cada vez mais raro animal vivo. É o caso de Rick Deckard, um caçador de recompensas a quem cabe a missão de descobrir – e eliminar – seis androides que se infiltraram entre a população humana. Mas o que significa realmente ser humano nesta realidade assoladora? É o que Philip K. Dick explora neste romance de culto.

O que é real? O que é falso? O que define a humanidade? Como se distingue quem é humano e quem não é a partir do momento em que os androides evoluem ao ponto de sentirem emoções? Estas são algumas das questões levantadas por Philip K. Dick em Será que os Androides Sonham com Ovelhas Elétricas?, um dos mais elogiados romances de ficção científica de todos os tempos.

A história, originalmente publicada em 1968, conheceu nova vida no início da década de 1980, quando foi adaptada ao cinema por Ridley Scott, numa produção à qual foi dado o título de Blade Runner. O enredo do filme, que conta com as interpretações de Harrison Ford, Rutger Hauer e Sean Young, apresenta várias diferenças para com o livro, optando por uma narrativa com mais ação, mas o ambiente neo-noir e a complexidade do tema tratado fizeram deste um filme de culto.

Agora, 35 anos depois, chega a sequela: Blade Runner 2049. E Harrison Ford volta a marcar presença. O ator americano regressa ao grande ecrã no papel do caçador de recompensas Rick Deckard. Ryan Gosling junta-se a ele enquanto K, um jovem agente que parte em sua busca, num elenco que também conta com nomes como Ana de Armas, Jared Leto e Dave Bautista, liderado pelo realizador Denis Villeneuve, responsável por filmes como Incendies ou Arrival.

Conseguirá Blade Runner 2049 captar o espírito simultaneamente provocatório e filosófico do trabalho original de Philip K. Dick?


Os filmes de ficção científica sempre me atraíram com a sua forte assinatura visual que nos leva a universos paralelos únicos e o Blade Runner original é de longe o melhor de sempre. Ridley Scott é um génio na arte de misturar ficção científica com film noir para criar uma visão única da condição humana. O novo Blade Runner é uma extensão do primeiro filme, algumas décadas mais tarde.

Denis Villeneuve
Realizador de Blade Runner 2049


 

Por: Tiago Matos
Fotografias: Alcon Entertainment, LLC

Gostou? Partilhe este artigo: