Afonso Cruz: Como ampliar a vida

afonso-cruz-cronica-revista-estante-fnac


Texto e ilustração: Afonso Cruz
Fotografia: Bruno Colaço/4SEE

A literatura amplia a vida de cada leitor. Estende-a além dos seus limites e faz ensaiar outros destinos.

Há uma frase famosa que diz que a vida é uma estreia sem ensaios. Não é verdade. Ensaiamos muito, fazemo-lo através da imaginação, dos sonhos, dos testemunhos, histórias e cultura, através dos livros. É a grande virtude da literatura, perceber novos caminhos, perceber quais seguir, quais evitar. A história, seja oral ou escrita, é o grande ensaio social e humano. Vivemos a vida de muita gente, experimentamos outras ideias, outras dores, outros séculos. Imaginamos o que será o futuro e compreendemos o passado.

Como disse C. S. Lewis: “Ao ler, torno-me milhares de outras pessoas e ainda assim continuo a ser eu. Como o céu noturno no poema grego, vejo com inúmeros olhos, mas continuo a ser eu quem vê. (…) Transcendo-me; e nunca sou tão verdadeiramente eu como quando leio.”

Quando encontramos uma personagem com a qual nos identificamos por semelhança, é como se nos víssemos ao espelho, e isso é uma forma de autoconhecimento. Mas também criamos empatia com as personagens que julgamos distantes dos nossos padrões morais, aquelas que, no nosso quotidiano, acusamos, ofendemos ou violentamos. Ao ler, torcemos pela sua felicidade, porque de alguma maneira compreendemos que aquela maldade, aqueles vícios e perversões são também os nossos:

Cogumelos –
Também há beleza
Nos assassinos
Issa Kobayashi

A literatura tem sido uma ferramenta para compreender o outro e para a pacificação social. E mesmo quando não nos identificamos de todo com personagens ou situações, a leitura ajuda-nos a evitar certos caminhos, indivíduos ou comportamentos. Além de ser um exercício catártico.

Sei que, ao longo dos séculos, os resultados poderiam ter sido mais espetaculares, mas não sabemos como seria a estreia em que vivemos se nunca a tivéssemos ensaiado. Poderíamos estar a viver um pesadelo bem pior. Por exemplo, o Trump podia ter sido eleito.


Gostou? Partilhe este artigo: