Adeus, Obama: os livros que ele nos deixou

barack-obama-estante-fnac

No dia em que Barack Obama cede o seu lugar na Casa Branca a Donald Trump, recordamos as sugestões de leitura que o 44.° Presidente dos Estados Unidos nos foi fazendo ao longo dos últimos oito anos.

Mais do que um líder, Barack Obama é um apaixonado por livros. E sempre fez questão de partilhar essa sua faceta com o mundo ao divulgar as obras que o foram arrebatando. Agora que o mandato do 44.º Presidente dos Estados Unidos chega ao fim, recordamos as suas principais sugestões de leitura dos últimos oito anos, que variam entre obras modernas da ficção, narrativas históricas, biografias de antigos chefes de Estado e até clássicos da literatura norte-americana.

A Curva do Rio

A Curva do Rio
V. S. Naipaul

As frases iniciais desta obra estão sempre presentes na vida de Obama, especialmente quando tem de enfrentar grandes obstáculos: “O mundo é o que é. Homens que não são nada, que se permitem tornar-se nada, não têm lugar nele.” A história decorre na África pós-colonial, num cenário caótico, de pobreza e violência, onde um jovem filho de comerciantes decide abandonar a sua cidade precária para abrir a sua própria loja numa zona do continente em crescimento.

A Sexta Extinção

A Sexta Extinção
Elizabeth Kolbert

Contemplado na lista de sugestões de Obama para o verão de 2015, este livro alerta para uma potencial sexta extinção em massa no nosso planeta, prevista ainda para este século, que afetará a floresta da Amazónia (Brasil), a Grande Barreira de Coral (Austrália) e as regiões árticas. A obra vencedora do Prémio Pulitzer 2015 na categoria Não Ficção mostra ainda que a mão humana está por trás desse eventual evento catastrófico.

Destinos e Fúrias

Destinos e Fúrias
Lauren Groff

O livro favorito de Obama no ano 2015 foi também um bestseller do The New York Times. A narrativa, que acompanha um casal apaixonado ao longo dos anos, começa por oferecer a perspetiva de Lotto. Depois, olhamos para a mesma relação com os olhos da implacável Mathilde. A dualidade da obra deixa transparecer os segredos que se escondem e moldam as relações de longa duração, colocando o leitor numa posição privilegiada para análise.

Em Parte Incerta

Em Parte Incerta
Gillian Flynn

Outra das ficções que mais cativou o ex-líder foi a que, em 2014, deu origem a um filme (nomeado aos Óscares) com Ben Affleck e Rosamund Pike nos principais papéis. Um thriller psicológico que começa no dia do quinto aniversário de casamento de Nick e Amy, marcado pelo misterioso desaparecimento da mesma. Enquanto é apontado como suspeito, Nick dá por si a descobrir a rede de mentiras que envolve o seu casamento. À semelhança de Destinos e Fúrias, o livro de Gillian Flynn mostra como as relações podem ser um terreno desconhecido e, por vezes, traiçoeiro.

Gilead

Gilead
Marilynne Robinson

Um dos livros preferidos de Obama arrecadou um Prémio Pulitzer em 2005 na categoria de Ficção. Anos depois, em 2013, o então presidente dos Estados Unidos fez questão de condecorar a escritora com a Medalha Nacional das Artes. Gilead toma a forma de uma carta escrita pelo pastor de igreja John Ames para o seu filho, narrando não só a sua vida como a do seu pai e avô. A obra funciona como um espelho de várias gerações da mesma família, cobrindo o período que vai da Guerra Civil Americana até ao século XX.

Homem Invisível

Homem Invisível
Ralph Ellison

Várias vezes apontada por Obama com a sua leitura preferida da juventude, a obra de estreia de Ralph Ellison acompanha um jovem afro-americano desde os tempos de criança, altura em que vive no sul precário do país, até rumar a Nova Iorque para estudar e se tornar porta-voz de uma organização política. A obra de 1952 ganhou, logo no ano seguinte, o prestigiante National Book Award.

Song of Solomon

Song of Solomon
Toni Morrison

Barack Obama nunca escondeu que Song of Solomon é um dos seus livros de eleição. Tal como em Homem Invisível, o protagonista é um jovem afro-americano que cresce na América do século XX e embarca numa viagem de descoberta das suas raízes e identidade. Toni Morrison e Obama tornaram-se particularmente próximos depois de, em 2012, o presidente ter condecorado a autora com a Medalha da Liberdade.

The Golden Notebook

The Golden Notebook
Doris Lessing

O romance feminista – talvez uma inspiração para Obama quando alertou para problemas como a violência sexual ou a lei do aborto – parte dos vários diários de Anna Wulf para contar a sua história: um diário preto sobre a sua carreira de escritora; um vermelho sobre as suas visões políticas; um azul sobre o seu dia a dia; e um amarelo onde eram depositados os seus pensamentos e emoções mais íntimos. Mas é o diário dourado que junta todos os pedaços da sua vida. O livro de 1962 valeu a Doris Lessing o Prémio Nobel da Literatura, em 2007.

The Underground Railroad

The Underground Railroad
Colson Whitehead

Este foi o último livro lido por Barack Obama e um dos que constou na sua lista de sugestões para o verão de 2016 – curiosamente, foi também uma das obras elogiadas no mesmo ano por Oprah Winfrey. Colson Whitehead emocionou o presidente ao contar a história de uma escrava numa plantação de algodão, acompanhando a sua luta pela liberdade. “É uma lembrança das várias formas como a dor da escravidão se transmite ao longo de gerações e como muda mentes e corações”, explicou Obama ao The New York Times.

Outras recomendações de Obama
Andy Grove
Richard S. Tedlow
Batalha Incerta
John Steinbeck
Gandhi: A Minha Vida e as Minhas Experiências com a Verdade
Mohandas K. Gandhi
Moby Dick
Herman Melville
O Sonho de Uma Outra Vida
Katherine Boo
Pensar, Depressa e Devagar
Daniel Kahneman
Sapiens: História Breve da Humanidade
Yuval Noah Harari
The Power Broker
Robert A. Caro
Um Longo Caminho Para a Liberdade
Nelson Mandela
Washington: A Life
Ron Chernow

OBAMA: ESCRITOR ANTES DE PRESIDENTE


Dreams From My Father

Dreams From My Father
Barack Obama

Publicado pela primeira vez em 1995, 13 anos antes de Obama se tornar presidente dos Estados Unidos, este livro de memórias começa com o democrata a descobrir que o seu pai – que o abandonou quando ainda era criança – tinha morrido num acidente de carro. Obama decide, então, mergulhar na história da sua família e perceber a verdade por detrás da figura do pai. Ao ser reeditado, em 2004, o livro tornou-se um bestseller do The New York Times.


A Audácia da Esperança
Barack Obama

Em 2006, um ano antes de anunciar a candidatura à Casa Branca, Barack Obama publicou esta obra defensora de uma nova forma de fazer política, baseada em otimismo, fé e num olhar esperançoso para o futuro. Reavivar o sonho americano e “reparar um sistema político danificado” foram os objetivos deste seu segundo livro.


Por: Carolina Morais

Gostou? Partilhe este artigo: