A verdade que não sabe sobre os filhos de comunistas no exílio


Um livro para…

Interessados na história do Partido Comunista e, em especial, na história de comunistas portugueses no exílio.

Primeiras frases

“A inacessibilidade dos arquivos do PCP confere um carácter necessariamente provisório à generalidade das respostas que vão sendo produzidas pelos vários historiadores que se dedicam ao estudo do comunismo. Os testemunhos dos exilados representam também por isso um recurso historiográfico de enorme importância, mas importa distinguir inequivocamente os registos autobiográficos orais.”

Se gostou deste livro, é provável que também goste de…

Álvaro Cunhal – Retrato Pessoal e Íntimo
(Adelino Cunha)
Cinco Conversas com Álvaro Cunhal
(Catarina Pires)
Álvaro Cunhal – Uma Biografia Política
(José Pacheco Pereira)


Um livro sobre os filhos dos quadros do Partido Comunista Português, incluindo a própria filha de Álvaro Cunhal. Mas um livro que nos fala muito – e de outra perspetiva – sobre a história do PCP e do exílio durante os anos de ditadura.

O desafio de escrever sobre a história dos filhos de comunistas obrigados ao exílio nasceu na sequência da biografia que Adelino Cunha escreveu sobre Álvaro Cunhal. Havia muitas estórias por contar. E muitas pessoas para quem o relato dessas estórias e a memória desses tempos era (e é) tudo menos uma tarefa fácil. Também por isso, este é um livro que tem muito para contar.

O livro

Os Filhos da Clandestinidade tem como gancho principal as estórias de crianças, filhos e filhas de comunistas obrigados ao exílio, fruto de um “fenómeno extremo” na história do Partido Comunista Português. Mas é muito mais do que isso. A obra, que resulta da dissertação de doutoramento do autor, é também uma viagem pela história do PCP, e do exílio, após a fuga de Peniche. Na sequência da investigação que começou em Álvaro Cunhal – Retrato Pessoal e Íntimo, o autor conta a história de um partido que, desde 1946, defendia que a tomada de poder “teria de ser feita de dentro para fora”, liderada pelo próprio povo.

O autor

Adelino Cunha é jornalista, historiador e professor de História Contemporânea e Jornalismo na Universidade Europeia. Nascido a 11 de maio de 1971, o autor passou por vários meios de comunicação, entre os quais O Diabo, A Capital, O Independente, Focus e Jornal de Notícias. Licenciou-se em História na Universidade Lusíada e doutorou-se recentemente em História Contemporânea na Universidade de Lisboa. É também autor dos livros A Ascensão ao Poder de Cavaco Silva, Álvaro Cunhal – Retrato Pessoal e Íntimo e António Guterres: Os Segredo do Poder.

O gancho

Para explicar o que levou muitos comunistas que combatiam a ditadura a decidirem enviar os seus filhos para Ivanovo, separando-se deles – deixando marcas profundas em muitas destas famílias –, é preciso compreender profundamente o PCP e a sua história no contexto do comunismo internacional. Neste livro, Adelino Cunha corre o risco, assumido pelo próprio, de interpretar memórias narradas como fonte de conhecimento histórico, interlaçando as mesmas com fontes arquivistas. É também aqui que se encontra o lado inovador deste livro e onde se cruza com a obra anteriormente escrita pelo autor sobre Cunhal, onde o autor defende que o lado pessoal do ex-líder comunista não pode nunca ser separado do político que foi. E esse lado pessoal só é possível ser conhecido através destas memórias narradas das quais fala o autor.

Gostou? Partilhe este artigo: