A estante de Richard Zimler

Judaísmo, bruxaria, contos perversos, romances de puxar a lágrima. Nada está fora dos limites para Richard Zimler, que tem quase cinco mil livros nas suas estantes entre Lisboa e Porto. Estes são os que mais o marcaram.


Light-in-August

Luz em Agosto

William Faulkner

“Este livro ensinou-me a escrever o meu primeiro romance.” Passamos a explicar: Richard Zimler gostou tanto da história e da qualidade de escrita que decidiu estudar minuciosamente a estrutura do livro. “O William Faulkner cria camadas de dúvidas e mistérios. Foi isso que tentei fazer em O Último Cabalista de Lisboa.”


Minha Ántonia

Minha Ántonia

Willa Cather

Um romance “magnífico, muito comovente, de muita ternura e solidariedade, com uma escrita muito poética”. É assim que Zimler descreve esta obra de Willa Cather. “Sempre que escrevo um livro, quero atingir esse mesmo nível de qualidade.”


As-Vinhas-da-Ira

As Vinhas da Ira

John Steinbeck

O primeiro contacto com este livro de John Steinbeck deu-se por volta dos 16 anos. “Marcou a minha juventude. É sobre justiça, falta de justiça, a esperança das pessoas pobres, e tem uma das cenas mais comoventes em toda a história da literatura americana. Não vou revelar o que acontece, mas choro sempre que a leio.”


Major Trends in Jewish Mysticism

Major Trends in Jewish Mysticism

Gershom Scholem

Trata-se do primeiro grande livro de ensaios de Gershom Scholem, um importante estudioso da cabala. “Influenciou-me muito porque descobri que o judaísmo não é uma religião superficial mas tem uma metodologia profunda e fascinante. Este livro tornou-se uma base da minha formação enquanto escritor e pessoa.” Zimler inspirou-se nele para criar as personagens do seu mais recente romance, Os Dez Espelhos de Benjamin Zarco.


Bichos

Bichos

Miguel Torga

Quando se fala no melhor da literatura portuguesa, o nome que lhe é mais imediato é Miguel Torga. “Uma vez perguntei-lhe: ‘Qual é o teu conto que mais gostarias de ver traduzido?’ E ele escolheu ‘Vicente’, sobre um corvo que foge da arca de Noé. Os contos dele lembram-me um pouco o William Faulkner. Tratam a mesma perversidade do ser humano.”


Stones-for-Ibarra-Contemporary-American-Fiction

Stones For Ibarra

Harriet Doerr

Este livro de Harriet Doerr manteve Zimler entretido durante as férias de verão. “Encontrei-o numa livraria em segunda mão e é uma história estranha, quase surrealista, sobre um casal americano que se muda para uma zona rural do México.”


A-Casa-dos-Espiritos

A Casa dos Espíritos

Isabel Allende

Richard Zimler possui primeiras edições em inglês tanto deste livro de Isabel Allende como de O Nome da Rosa, de Umberto Eco. Mas não são as mais valiosas na sua estante. “Tenho muitas edições antigas que herdei da minha mãe, por exemplo de Marcel Proust. E tudo o que herdei dela é-me valioso por razões de afeto, não porque valem muito dinheiro.”

O NOVO ROMANCE DE RICHARD ZIMLER

Chama-se Os Dez Espelhos de Benjamin Zarco e é sobre dois primos – Benjamin e Shelly – sobreviventes ao Holocausto. Curiosamente, começou por ser um conto. “Pediram-me para escrever um conto para uma antologia publicada pela Ordem dos Psicólogos, Uma Dor Tão Desigual, sobre pessoas que sofrem de transtornos psicológicos. E quando escrevi, adorei-o. Decidi aprofundar o conto e as personagens, e assim criei o primeiro capítulo do romance”, conta Richard Zimler. O mais curioso é que a estrutura é completamente diferente da dos seus outros romances. “É como um mosaico. Tem seis grandes capítulos, cada um narrado de uma perspetiva diferente. Adoro essa ideia de o leitor ter de encaixar as peças do puzzle para completar a narrativa.”


O PRÓXIMO LIVRO

Richard Zimler já pensa no próximo livro que vai escrever. Começou, por isso, a investigar um novo – e “fascinante” – tema. “Estou a ler muito sobre bruxaria na Idade Média. É um aspeto quase esquecido da Europa. Hoje falamos de bruxas como pessoas más, do submundo, mas na verdade não eram assim.” Um dos livros ao qual tem ido buscar ensinamentos é Witchcraft and Magic in Europe, editado por Bengt Ankarloo e Stuart Clark.

 Por: Carolina Morais
Fotografias: Bruno Colaço/4SEE

Gostou? Partilhe este artigo: