6 livros que te levam de viagem à Lua

lua-estante.fnac

Quando a ficção científica se tornou realidade, em julho de 1969, o mundo não conseguia acreditar. Cinquenta anos depois, a primeira alunagem humana continua a suscitar dúvidas e a inspirar as mais diversas teorias. Afinal, o que sabemos hoje sobre a Lua e o primeiro homem que a pisou? Estes são os livros que ajudam a conhecer a história completa.

Nos anos 50 pensava-se que existissem grutas na Lua


Tintin e a lua

Tintin e a Lua

Hergé

A chegada à Lua ainda só fazia parte dos filmes de ficção científica quando, nos anos 50, Hergé publicou “Rumo à Lua” e “Explorando a Lua”, as histórias que fazem parte de Tintin e a Lua. Na altura já se sabia, por exemplo, que a gravidade lunar era seis vezes menor do que a da Terra. Mas algumas teorias, como a presença de água, conjeturadas por Tintin neste livro, só foram comprovadas mais recentemente. Outras ideias, como a existência de grutas – onde Tintin, Milú e o Capitão Haddock passam grande parte da sua exploração lunar –, ainda não têm uma resposta conclusiva. Sabemos, contudo, que ao contrário do que Tintin pensava as “grutas” não são o resultado da erosão da água mas sim de correntes de lava.

Não era suposto que Neil Armstrong fosse o primeiro homem a pisar a Lua


O Primeiro Homem: A Vida de Neil Armstrong

James R. Hansen

Neil Armstrong será para sempre conhecido como o primeiro homem a cumprir “o mais antigo sonho do homem”, como esta sua biografia, escrita por James R. Hansen, se refere à aterragem na Lua. A verdade é que, no dia 20 de julho de 1969 – 21 de julho, em Portugal – o astronauta não estava sozinho. E mais: por ser relativamente novo na função, era o seu companheiro Buzz Aldrin que deveria ter saído da nave em primeiro lugar. Isto de forma a assegurar a “proteção” do comandante desta missão de três astronautas até à Base da Tranquilidade – o local da alunagem. Embora a viagem tenha ficado marcada por alguns sustos na reserva de combustível (que mais tarde se revelaram infundados), “foi uma aterragem bastante suave”. Ou nas palavras de Armstrong: “Pousou tal como um helicóptero.”

Neil Armstrong chateou-se enquanto dava os primeiros passos na Lua


Moonfire

Moonfire

Norman Mailer

Todo o processo de preparação para a viagem à Lua foi acompanhado por uma multidão de jornalistas, entre os quais Norman Mailer, que assistiu ao momento em que Neil Armstrong desceu até ao “galinheiro pisado por inúmeros cascos”, como a superfície da Lua é descrita em Moonfire. Era suposto que Neil Armstrong recolhesse uma amostra (entenda-se pedra) da superfície lunar. “A amostra de contingência era uma das primeiras tarefas de Armstrong, mas ele parecia ter-se esquecido.” Por isso, quando os engenheiros da NASA e Buzz Aldrin lhe pediram quase em simultâneo que o fizesse, Neil Armstrong chateou-se: “A irritabilidade era tão evidente que as pessoas se riram. Irritação continua a ser irritação na Lua.”

O regresso à Terra foi atribulado


No dream is too high

No Dream is Too High

Buzz Aldrin e Ken Abraham

Ao regressarem para a nave, Buzz Aldrin reparou num interruptor caído na superfície da Lua. “Aparentemente, tinha[-lhe] dado um encontrão com a mochila pesada quando me preparava para sair ou quando voltámos para dentro depois de andar na Lua”, recorda em No Dream is Too High, a autobiografia em que, com base na sua experiência, o astronauta lista os princípios segundo os quais devemos viver. O interruptor era responsável por ativar o motor ascendente que o colocaria novamente em órbita de regresso à Terra. O problema que impossibilitava o retorno de Buzz Aldrin e companhia só ficou resolvido no dia seguinte quando o astronauta usou uma caneta de feltro para voltar a encaixar o dispositivo no devido lugar.

É possível criar vida na Lua


o duende que caiu da lua

O Duende que Caiu da Lua

Rita Mira e Carla Nazareth

O consenso científico de que não existe vida na Lua não significa que este satélite seja inóspito para todo o tipo de vida. Ainda no início de 2019, a China conseguiu provar que as plantas podem nascer (e possivelmente crescer) na Lua. Rita Mira vai um pouco mais longe nesta história, imaginando uma fantasia em que os duendes são os habitantes naturais deste planeta secundário. O encontro de um deles, em Terra, com um rapaz que tem o sonho de ser astronauta pode servir de pretexto para introduzir o tema aos mais novos.

Nenhuma mulher visitou a Lua (ainda)


Valente Valentina

Valente Valentina

Andreia Nunes e Rachel Caiano

Entre as 12 pessoas que deixaram as suas pegadas na Lua, em seis missões conduzidas pela NASA entre 1969 e 1972, não se encontra nenhuma mulher. Andreia Nunes decidiu, ainda assim, homenagear outras astronautas femininas que marcaram a história da investigação espacial. Nomeadamente a primeira mulher a visitar o espaço: Valentina Tereshkova. Em 1963, dois anos depois de a Rússia ter colocado no espaço o primeiro cosmonauta de todos os tempos, a “Valente Valentina” completou 48 órbitas à volta da Terra numa missão com a duração de 71 horas. Este livro infantil recorda o sonho da agora deputada do parlamento russo que, aos 82 anos, afirma que ainda teria coragem de visitar Marte.

Por: Tatiana Trilho

Gostou? Partilhe este artigo: