5 inesquecíveis clássicos infantis que celebram aniversários importantes em 2019

classicos-infantis-estante-fnac

Ainda vais a tempo de descobrir estas histórias memoráveis que nos acompanham desde crianças e para sempre durarão.

O Grufalão

O Grufalão

Julia Donaldson e Axel Scheffler
Distinguido como um dos dez melhores livros infantis dos últimos 50 anos numa eleição organizada pela revista Estante, este livro está há vinte anos a transmitir coragem, inteligência e confiança própria aos leitores mais novos.

Ser um pequeno rato no meio de uma floresta com animais grandes e assustadores não é tarefa fácil. Mas ser um pequeno rato inteligente muda tudo. Em O Grufalão ficamos a conhecer aquele que pode ser o rato mais inteligente dos nossos tempos. É que este roedor consegue que todos os predadores acreditem numa (aparente) mentira dele sobre uma criatura monstruosa que anda à solta pela floresta. Acontece que o rato acaba por se deparar com a sua “criação”, que é tudo menos imaginária. Como acaba por resolver este problema fica à descoberta neste livro.


lagartinha-muito-comilona-pop-up

50 Anos: A Lagartinha Muito Comilona

Eric Carle
Outro clássico infantil com um aniversário redondo – celebra 50 anos em 2019 – e um lugar na lista dos dez melhores livros infantis, de acordo com a votação da Estante.

Cuidado com a comida que tens em casa, porque a lagartinha come tudo. Come tudo e continua sempre com fome, nada a satisfaz. Neste livro acompanhamos o doloroso – e faminto – processo de transformação de uma pequena lagarta até se tornar numa borboleta. Mas a história é ainda mais do que isto, já que as vivas ilustrações da lagartinha são acompanhadas por furos nas páginas, graciosamente provocados pela própria enquanto saboreia cada alimento. Além de divertida, esta obra de Eric Carle tem um cariz educativo, ensinando aos leitores mais novos o ciclo temporal de uma lagarta até se tornar uma borboleta.


Adivinha quanto eu gosto de ti

Adivinha Quanto Eu Gosto de Ti

Sam McBratney e Anita Jeram
Acompanhada por belas e reconfortantes ilustrações, esta história recomendada para crianças até aos 8 anos já vendeu mais de 30 milhões de exemplares nos seus 25 anos de existência.

Medir o amor que sentimos por outra pessoa não é tarefa fácil, especialmente se falarmos do amor de um pai por um filho. Neste conto de Sam McBratney, a lebre mais pequena tenta mostrar ao seu pai várias vezes o quanto gosta dele, mas o pai acaba sempre por provar que gosta ainda mais do filho, recorrendo a diferentes exemplos da floresta onde se encontram. A história já recebeu várias sequelas e foi inclusive adaptada à televisão.


O-Elmer

O Elmer

David McKee
Assinalam-se em 2019 trinta anos desde que esta explosão de cor trouxe pela primeira vez alegria e animação aos leitores mais jovens.

Elmer é um elefante que se destaca dos restantes pela diferença. Enquanto todos os outros têm “cor de elefante”, Elmer está coberto de quadrados coloridos. É, apesar disso, a alegria da manada, aquele que está sempre bem-disposto e a dizer piadas. No entanto, o facto de ser o único diferente traz-lhe alguma tristeza, e por isso embarca numa aventura para se conseguir igualar aos colegas e ter cor de elefante. Mas a sua ausência apenas provoca tristeza e desanimação à manada, que se habituou à cor de Elmer no dia a dia. Que é o mesmo que dizer: o mais importante, seja numa pessoa ou num elefante, é mesmo o interior.


Vamos-a-Caca-do-Urso

Vamos à Caça do Urso

Michael Rosen e Helen Oxenbury
Baseada numa canção folclórica americana, esta história acompanha um grupo de crianças (e um cão) enquanto procuram um urso. Celebra trinta anos em 2019.

Todas as crianças e jovens têm dentro de si um espírito corajoso e aventureiro. Este facto é evidente nos cinco irmãos que protagonizam esta história de Michael Rosen. Acompanhados por um cão, os cinco aventuram-se na floresta à procura de um urso para caçar. Mas a missão não é tão simples quanto parece. Este é um livro ideal para ser lido em família, a várias vozes, e talvez por isso mantenha os leitores colados às páginas tanto tempo após a publicação original.

Por: Frederica Abreu

Gostou? Partilhe este artigo: