Os 10 livros mais vendidos em 2019 (e que podem ser bons presentes de última hora)

 

Ano novo, vida nova e, claro, livros novos. Mas, antes, que tal fazer um balanço e perceber quais foram os mais vendidos na FNAC em 2019? Afinal, quem não gosta de um bom bestseller?

OS LIVROS DE FICÇÃO MAIS VENDIDOS EM 2019

Serotonina-Revista-Estante-Fnac

Serotonina 

Michel Houellebecq

Este foi o ano em que o enfant terrible das letras francesas agitou novamente as águas da literatura. Resultado: é de Michel Houellebecq um dos livros mais vendidos do ano no nosso país. Muito associado às revoltas dos coletes amarelos que assolaram França, Serotonina assume como tema central o descontentamento. Particularmente o do narrador, que acredita que apenas consegue sobreviver à ansiedade do dia a dia com o auxílio de um antidepressivo que liberta serotonina, neurotransmissor que atua no cérebro e provoca uma sensação geral de bem-estar.


Gaiola-de-ouro-Revista-Estante-Fnac

Uma Gaiola de Ouro

Camilla Läckberg

Camilla Läckberg, estrela de thrillers nórdicos que tanto sucesso tem feito com a saga Fjällbacka, deu um passo numa direção diferente e escreveu uma obra com um tom assumidamente mais feminista. Uma Gaiola de Ouro passa-se na cidade natal da autora sueca e dá-nos a conhecer uma mulher que se deixa levar pela sede de vingança contra o ex-marido. “Um tributo às mulheres que se defendem”, explicou Läckberg em entrevista à Estante.


O-Intruso-Stephen-king-revista-estante-fnac

O Intruso

Stephen King

As primeiras páginas de O Intruso, um dos vencedores dos Goodreads Choice Awards 2018, levam-nos a pensar que se trata de um thriller bastante comum. Uma criança é assassinada e um polícia detém o suspeito para quem todas as pistas apontam. Mas não nos podemos esquecer de que falamos de Stephen King – e, claro, rapidamente a história se torna um verdadeiro terror. Num ano em que esteve uma vez mais muito presente no nosso imaginário, com novos lançamentos nas livrarias (e nos cinemas), King assinou um dos livros mais vendidos do ano nas lojas FNAC do nosso país.


longa-petala-mar

Longa Pétala de Mar

Isabel Allende

Grande defensora dos direitos dos imigrantes, Isabel Allende foi também ela uma refugiada política e imigrante. Afirma até, frequentemente, que toda a vida tem sido uma estrangeira. Talvez por isso tenha dedicado o seu tempo a escrever uma história inspirada nos refugiados espanhóis que viajaram para o Chile a bordo de um navio fretado por Pablo Neruda e assim fugiram às tropas de Franco. Embora tenha sido publicado apenas em novembro, conseguiu em pouco tempo tornar-se um dos livros mais vendidos do ano.


essa-gente-revista-estante-fnac

Essa Gente

Chico Buarque

Outro livro que, embora tenha sido publicado já no final do ano, foi a tempo de se tornar um dos mais vendidos no nosso país. A verdade é que poucas serão as pessoas que não conhecem o nome de Chico Buarque, que ainda por cima foi o vencedor do Prémio Camões em 2019. O sexto romance de um dos maiores nomes da música brasileira apresenta-nos as contradições e mazelas de um Brasil contemporâneo, recorrendo a um escritor em decadência, rodeado de dívidas, que desespera por um rasgo de inspiração que lhe permita escrever um novo livro de sucesso.

OS LIVROS DE NÃO FICÇÃO MAIS VENDIDOS EM 2019

Esta tudo f*dido

Está Tudo Fodido

Mark Manson

Guerras, aquecimento global e, claro, os ofendidos do Facebook. Tudo o que nos rodeia parece miserável ou fonte de miséria. Mas não é por acaso que se costuma dizer que a esperança é a última a morrer. Neste livro, Mark Manson ensina-nos que é a esperança que nos salva do desespero total e que a falta dela é a “fonte de todas as desgraças”. Depois do sucesso de A Arte Subtil de Saber Dizer que se Foda, o autor voltou a trazer-nos a sua escrita brutalmente honesta e nada politicamente correta. E nós gostámos, ou não tivesse sido um dos livros mais vendidos do ano.


factfulness-revista-estante-fnac

Factfulness – Factualidade

Hans Rosling (com Anna Rosling Rönnlund e Ola Rosling)

Hans Rosling, em parceria com o filho e a nora, apresenta-nos neste livro dez motivos pelos quais estamos errados acerca do mundo. O objetivo? Perceber que nem tudo é mau e que devemos assumir uma visão das coisas puramente baseada nos factos. Numa era em que tanto se fala de notícias falsas e estratégias de manipulação, é interessante perceber que este foi um dos livros de não ficção mais procurados pelos portugueses. Barack Obama também gostou muito.


vai correr tudo mal

Vai Correr Tudo Mal

Joana Marques

Se existe um elemento comum a todos os livros de autoajuda é o facto de nos tentarem convencer de que, eventualmente, tudo acabará bem. Afinal, depois da tempestade vem a bonança, certo? Só que Joana Marques quis acabar com este mito, garantindo neste livro que não é bem assim e que afinal vai mesmo correr tudo mal. Esquecemos, por isso, a autoajuda e abrimos a mente à antiajuda – mas com muitos conselhos úteis, duras verdades e gargalhadas pelo meio!


uma-beleza-que-nos-pertence

Uma Beleza que nos Pertence

José Tolentino Mendonça

Precisamente um dia antes de lançar Uma Beleza que nos Pertence, o poeta e professor José Tolentino Mendonça foi elevado a cardeal pelo Papa Francisco. Neste seu livro, um dos mais procurados do ano na área da não ficção, sucessor de obras como O Pequeno Caminho das Grandes PerguntasElogio da Sede, reúnem-se alguns dos seus mais profundos pensamentos, aforismos e dilemas acerca das grandes questões da humanidade.


arte-de-viver-simplesmente-revista-estante-fnac

A Arte de Viver Simplesmente

Shunmyo Masuno

Qing-Li e Yoshifumi Miyazaki já nos tinham dado a conhecer o shirin-yoku, que nos mostrou a importância do contacto com a natureza. Agora é Shunmyo Masuno, conhecido monge japonês, professor e designer de jardins, que reforça esta ligação (e outras) com A Arte de Viver Simplesmente. Organizar a sua vida, observar um pôr-do-sol e um lago tranquilo ou apenas andar descalço sempre que possível podem fazer milagres por ti porque estarás a praticar hábitos zen. Marie Kondo ajuda-te a arrumar a casa; Shunmyo Masuno ajuda-te a arrumar a mente.

Por: Inês Pereira

Gostou? Partilhe este artigo: