Os 10 Livros da Minha Vida: Bruno Vieira Amaral

Bruno Vieira Amaral

Idade: 38 anos
Profissão: Crítico literário, tradutor e escritor
Nacionalidade: Portuguesa
Nasceu em 1978, em Lisboa. É licenciado em História pelo Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa (ISCTE). Dedicou-se à crítica literária e, em 2002, foi selecionado para a Mostra Nacional de Jovens Criadores pela sua poesia. Colaborou na revista Atlântico e no jornal i. Atualmente trabalha na Quetzal, editora que publicou o seu romance de estreia, As Primeiras Coisas, que lhe valeu o Prémio Saramago em 2015 depois de ter vencido, em 2013, o Prémio de Livro do Ano da Time Out, o Prémio Fernando Namora e o Prémio PEN Narrativa.

Fotografia: Vitorino Coragem

1. Dom Quixote

Miguel de Cervantes

A leitura da obra de Cervantes levou-me vários meses. Parava, recomeçava, voltava atrás. A grande surpresa foi o humor. Doutrinado pelas Viagens na Minha Terra, esperava uma pesada dissertação sobre as utopias de Dom Quixote e o pragmatismo de Sancho Pança e encontrei um livro cómico, de aventuras filosóficas, de uma sublime ironia, que usa prodigiosamente os recursos da metaficção muito antes do termo ter sido inventado.

 

2. Cem Anos de Solidão

Gabriel García Márquez

Muitos anos depois continuo a regressar a Cem Anos de Solidão e, apesar de não conseguir reviver a experiência fulgurante da leitura original, há um espanto que permanece, passagens que já conheço ainda me surpreendem, personagens secundárias destacam-se, releio o riso de Pilar Ternera, a ascensão aos céus de Remedios, os peixinhos de ouro do coronel Aureliano Buendía, a amnésia coletiva das gentes de Macondo, um comboio cheio de mortos, um italiano infeliz que encontrou o amor sem querer e a morte por vontade própria e continuo sem perceber como é que aquele livro foi possível.

 

3. Outras Inquirições

Jorge Luis Borges

Já tinha lido Ficções, mas foi este conjunto de ensaios curtos que me tornou devoto de Borges. A amplidão de referências literárias, a precisão da linguagem, o ensaio escrito como ficção, a especulação filosófica, a liturgia dos nomes de autores e de títulos de livros, aquela frase no final de “Nova Refutação do Tempo”. Quando acabei o livro, era um leitor diferente.

 

4. La Orgía Perpetua

Mario Vargas Llosa

Crítica literária é isto. La Orgía Perpetua é um grande livro de um grande escritor sobre outro grande livro de outro grande escritor. É Mario Vargas Llosa a explicar-nos por que razão se apaixonou por Madame Bovary, de Flaubert, e por que razão é obrigatório que todos nos apaixonemos por Madame Bovary.

 

5. Conversa n’A Catedral

Mario Vargas Llosa

Uma obra de engenharia narrativa perfeita. E com alma.

6. Os Maias

Eça de Queirós

Felizmente, li Os Maias alguns meses antes de o estudar na escola. As descrições de desgraçada fama eram, afinal, um verdadeiro manual de estilo. Como tantos outros, elevei João da Ega ao panteão dos heróis pessoais, chorei com a morte de Afonso da Maia, revi-me na procrastinação de Carlos, sonhei com Maria Eduarda, tive vontade de espezinhar Dâmaso Salcede. Este é o nosso romance.

 

7. A Vida Como Ela é

Nelson Rodrigues

Histórias de adultério contadas num jornal popular. A vida como ela é. Nelson Rodrigues escreveu milhares de crónicas (na verdade, disparou-as porque tinha de as escrever diariamente, sem tempo para revisões ou preciosismos) e neste livro encontramos algumas obras-primas da narrativa curta. Histórias excessivas, operáticas, sanguinolentas e trágicas, cómicas, tristes e desesperadas. A vida toda.

 

8. O Anjo Pornográfico

Ruy Castro

A vida de Nelson Rodrigues foi tão ou mais interessante do que as histórias que contava e a pena de Ruy Castro fez-lhe justiça. Uma lição para todos aqueles que pensam em experimentar a difícil arte da biografia: ou se tenta fazer assim ou mais vale estar quietinho.

 

9. A Estrada

Cormac McCarthy

O último livro da Bíblia. Num mundo sem esperança, como é que o homem sobrevive moralmente?

 

10. A Peste

Albert Camus

A resposta à pergunta anterior: sendo médico, fazendo o que está ao seu alcance.

Gostou? Partilhe este artigo: