Eugénio de Andrade

Filho de “gente que trabalhava a pedra e a terra”, Eugénio de Andrade – “poeta do corpo” – procurou marcar ritmo através da simbiose Homem/Natureza. Apesar da simplicidade e fluidez predominantes na sua obra poética, a linguagem é rica em imagens e simbologia que privilegiam os principais elementos naturais – fogo, terra, ar e água – e que a harmonizam uma positividade concreta

Por Ana Gabriela Pereira

eugenio-de-andrade-100-anosNasce José Fontinhas em 1923, na Póvoa da Atalaia, entre o Fundão e Castelo Branco, e desde cedo que afirma o gosto pela leitura passando parte do tempo nas bibliotecas públicas e começando a escrever poemas cuja figura dominante é a mãe – a sua relação direta com a infância.

Após a publicação do seu primeiro poema “Narciso”, em 1939, nasce o pseudónimo Eugénio de Andrade que, em 1942, lança o primeiro livro de poesia intitulado Adolescente. Seguem-se outras publicações mas é em 1948, com As Mãos e os Frutos, que alcança o merecido reconhecimento. É o início de uma carreira marcante no panorama da poesia nacional, cuja obra tem sido objeto de estudo por parte de escritores e críticos literários portugueses e estrangeiros.

Entre a bibliografia principal do autor destacam-se As Palavras Interditas (1951); Até Amanhã (1956); Coração do Dia (1958); Os Afluentes do Silêncio e Daqui Houve Nome Portugal [Antologia consagrada ao Porto] (1968); Memória doutro Rio (1978); Aquela Nuvem e Outras, poemas para crianças (1986); Rente ao Dizer (1992); Sal da Língua (1995); Sulcos da Sede (2001).

livros-de-eugenio-de-andrade-classicos

ONDE ESTÁ O ESPÓLIO?
Biblioteca Pública Municipal do Porto | Biblioteca Municipal Almeida Garrett. Rua D. João IV (ao Jardim de S. Lázaro) – 4049-017 Porto 

Em 1995 abre ao público a Fundação Eugénio de Andrade, na Foz do Douro, cuja sede servia, igualmente, de residência ao poeta. Com a extinção da Fundação, em dezembro de 2011, o espólio de Eugénio de Andrade reverteu para a Câmara Municipal do Porto que o integrou na Biblioteca Pública Municipal. Neste âmbito foi criada uma Sala de Coleções Especiais que funciona como espaço de consultade documentação, nomeadamente manuscritos, e espaço de exposição de obras de arte selecionadas.

A exposição Permanente
EUGÉNIO DE ANDRADE: escrita, lugares e afetos

foi estruturada em torno de vários núcleos temáticos que são transversais à poesia bem como às memórias de infância, à figura materna, à passagem por Lisboa, Coimbra e a sua forte ligação ao Porto.
Está ainda em curso o processo de inventariação de correspondência recebida que será, brevemente, disponibilizada no catálogo das Bibliotecas Municipais do Porto.

A Sala de Coleções especiais Eugénio de Andrade

pode ser visitada às quartas-feiras, entre as 14h às 18h.

Gostou? Partilhe este artigo: